Novo critério para o título não agrada a pilotos

Para Fernando Alonso, mudanças constantes confundem o torcedor

, O Estadao de S.Paulo

19 de março de 2009 | 00h00

A não ser o próprio Bernie Ecclestone, mentor da ideia de se definir o campeão do mundo pelo número de vitórias e não de pontos, pilotos e dirigentes, em geral, demonstraram, ontem, não só sua desaprovação como até preocupação com o futuro da Fórmula 1. Ecclestone explicou: "Há reclamações de toda natureza a respeito dos carros, dos circuitos, mas penso que os rapazes que pilotam esses carros têm muito a ver com isso." "Com apenas dois pontos de diferença entre o primeiro e o segundo colocado (10 e 8), por qual razão vale a pena correr riscos para tentar a vitória?", questionou, em entrevista à imprensa inglesa. O promotor do Mundial lembrou que a chiadeira geral é uma das características das ocasiões em que a FIA anuncia mudanças nas regras, como terça-feira. "Eles sempre acham que não vai funcionar, sempre reclamam de nossas decisões", disse. E lançou até uma frase de efeito: "Os pilotos que sabem que vão vencer estão contentes e os que sabem que não vão não se importam."O dirigente não ouviu Fernando Alonso, campeão do mundo em 2005 e 2006, considerado o mais completo piloto em atividade. "Eu não entendo essa necessidade de mudar as regras constantemente. Essa decisão só vai confundir os fãs", escreveu em seu site. "A F-1 existe há mais de 50 anos graças a equipes, patrocinadores, pilotos e, acima de tudo, seus fãs pelo mundo, só que eles não puderam opinar." Jenson Button, da Brawn, comentou que será difícil para um espectador compreender as razões de "um piloto ser campeão com 60 pontos enquanto outro somou 100".Os jornais ingleses The Times e Financial Times destacaram, ontem, que Ecclestone e o presidente da FIA, Max Mosley, buscaram criar um racha dentro da associação das equipes (Fota) ao estabelecer que os times que aderirem aos 33 milhões de limite orçamentário terão benefícios técnicos. As publicações citam que o racha pode vir, mas da Fota com a FIA e a Formula One Management (FOM), de Ecclestone.BRUNO SENNAO piloto testou ontem, em Hockenheim, pela primeira vez, o carro da Mercedes no Campeonato Alemão de Turismo (DTM). Hoje volta a treinar. "Uma série tão forte e veloz como esta pode ser uma ótima opção e me ajudar no caminho da F-1."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.