Novo pacote reduz custos em 30% já para 2009

O Conselho Mundial da FIA, reunido ontem em Mônaco, homologou o pacote de medidas elaborado pela Associação das Equipes de Fórmula 1 (Fota), bem como impôs as suas, a fim de reduzir os custos para disputar o Mundial. Elas abrangem os motores, testes particulares, o desenvolvimento aerodinâmico e as instalações das fábricas, entre outras áreas. A expectativa é de economia de 30% em relação ao orçamento de 2008, algo em torno de U$ 130 milhões. Enquanto neste ano os motores tinham de resistir a dois fins de semana de GP, em 2009 cada piloto terá um motor para três provas. Hoje a limitação é de 19 mil rotações por minuto. Passará para 18 mil. Não respeitar a regra implicará perder dez colocações no grid. O anunciado, ontem, representa uma revolução nos extensos programas de testes. Eles simplesmente estão proibidos no espaço entre as corridas. Os planejados para a pré-temporada poderão ser realizados, mas uma vez iniciado o campeonato - a estréia está prevista para 29 de março na Austrália -, as equipes terão apenas as duas sessões livres de uma hora e meia cada, às sextas-feiras no fim de semana de GP, para executar treinos privados - um problema para pilotos novatos. SEDES FECHADASComo forma de diminuir ainda mais despesas, as sedes das equipes terão de permanecer fechadas seis semanas por ano. Nesses dias, os cerca de 900 funcionários não poderão exercer suas atividades. Não há definição sobre quantos integrantes poderão se deslocar para acompanhar as escuderias às corridas, mas serão menos dos 70, em média, de hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.