Novo projeto de Luxemburgo: título e Libertadores no Grêmio

Técnico promete dar ao clube taça de campeão estadual, além de colocá-lo no torneio sul-americano de 2013

ELDER OGLIARI / PORTO ALEGRE, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2012 | 03h05

Ser campeão gaúcho e conquistar uma vaga na Libertadores em 2013. Esses são os projetos do técnico Vanderlei Luxemburgo para o Grêmio. Ele começou a trabalhar ontem e estreia domingo, contra o Caxias, em Caxias do Sul, na semifinal do primeiro turno do Campeonato Gaúcho.

Luxemburgo disse que colocar o Grêmio na principal competição sul-americana é sua "obrigação profissional''. "O Grêmio tem que participar das melhores competições da América do Sul e, se estiver nelas, vai brigar para ser campeão'', afirmou, lembrando que há três caminhos para chegar à Libertadores: a Copa do Brasil, a Copa Sul-Americana e o Campeonato Brasileiro.

Ao ser questionado sobre a necessidade pessoal de voltar a ganhar um título nacional - algo que não consegue desde 2004 - e a necessidade do clube, que está em jejum desde a Copa do Brasil de 2001, Luxemburgo sustentou que muitas vezes o projeto é mais importante. Destacou que o único time que dirigiu nos últimos anos que não colocou na Libertadores foi o Atlético-MG.

O treinador parabenizou o interino Roger Machado e os jogadores pela vitória contra o Internacional, por 2 a 1, anteontem, porque o time se impôs na casa do rival. Quer que o Grêmio mantenha a mesma "atitude'' que teve no clássico, mas não adiantou sua preferência por algum esquema. "Vou ver como as alternativas se encaixam melhor.''

O novo treinador do tricolor disse que foi contratado porque é um vencedor, que alcança o sucesso em 80% de seus projetos. Ao mesmo tempo, admitiu que todos os títulos que tem, inclusive os cinco Brasileiros, são agora apenas parte do currículo. "O título mais importante do momento é o Campeonato Gaúcho.''

Ao falar sobre a rivalidade regional, Luxemburgo lembrou que é torcedor do Flamengo e sempre que enfrentou o rubro-negro fez o possível para vencer. Disse que o fato de ter sido jogador do Inter nos anos 70 não o impedirá de querer vencer o clube. E admitiu que deixará de usar gravatas vermelhas, cor do rival.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.