Novo recorde valerá US$ 100 mil no Mundial de Atletismo

Os atletas que participarão do Mundial de Atletismo, que começa no dia 27 de agosto, em Daegu, na Coreia do Sul, terão um motivo extra para buscarem os melhores resultados da história em suas provas. Nesta quarta-feira, a Federação Internacional das Associações de Atletismo (Iaaf, na sigla em inglês) informou que premiará com a quantia de US$ 100 mil cada competidor que quebrar um recorde mundial na competição.

AE, Agência Estado

17 de agosto de 2011 | 13h31

Ainda nesta quarta-feira, a entidade revelou a premiação para os primeiros colocados nas provas do Mundial de Daegu. Quem conquistar a medalha de ouro em uma competição individual, embolsará US$ 60 mil, enquanto a prata valerá US$ 30 mil e o bronze, US$ 20 mil.

Mas não são somente os atletas que subirão ao pódio que terão prêmio em dinheiro no Mundial. Os finalistas de cada prova também serão recompensados. O quarto colocado ganhará US$ 15 mil, o quinto, US$ 10 mil, o sexto, US$ 6 mil, o sétimo, US$ 5 mil, e o oitavo, US$ 4 mil.

Nos revezamentos, o esquema de premiação será o mesmo, mas as equipes dividirão o prêmio entre os quatro participantes. Os vencedores ganharão US$ 80 mil; os vice-campeões, US$ 40 mil, os terceiros colocados, US$ 20 mil, os quartos, US$ 16 mil, os quintos, US$ 12 mil, os sextos, US$ 8 mil, os sétimos, US$ 6 mil, e os oitavos, US$ 4 mil.

Principal nome do atletismo mundial, o jamaicano Usain Bolt pode ficar US$ 140 mil mais rico se mantiver o desempenho do último Mundial, em 2009, na Alemanha, quando venceu os 100 e 200 metros, além do revezamento 4x100 metros. E a quantia pode ser ainda maior se ele quebrar o seu próprio recorde mundial nas três provas. Se conseguir tal feito, arrecadará um total de US$ 365 mil em Daegu.

Tudo o que sabemos sobre:
atletismoMundialIaaf

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.