Divulgação
Divulgação

‘Nuzman devia pedir licença da presidência enquanto se defende’

Ex-judoca e deputado federal fala sobre a situação do presidente do Comitê Olímpico do Brasil

Entrevista com

João Derly

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2017 | 17h00

Ex-judoca e deputado federal, João Derly fala sobre o convite feito para que Carlos Arthur Nuzman compareça para depor na Comissão de Esporte da Câmara. Para ele, o dirigente devia pedir licença de suas atividades como presidente do Comitê Olímpico do Brasil enquanto se defende das acusações. Confira a entrevista exclusiva:

Por que a decisão de convidar o Nuzman a depor na Comissão do Esporte?

A Comissão do Esporte tem essa missão de falar, discutir e fiscalizar a questão esportiva. Hoje, o agente máximo, a maior entidade esportiva do nosso País, que é o Comitê Olímpico, está sendo investigada. É a oportunidade que o presidente Nuzman tem de poder se explicar, mostrar que não tem algum ilícito.

O senhor acredita que ele vai comparecer sem problemas?

Eu creio que sim. Quando convidamos o Marco Polo Del Nero (CBF), ele compareceu, quando se investigava um esquema na Fifa. Então eu creio que se o presidente Carlos Arthur Nuzman não deve nada, ele comparecerá. Agora, caso não apareça ficará uma situação bem complicada. É extremamente importante mostrar que não tem medo de um debate franco, aberto.

A operação Unfair Play afeta a imagem do esporte olímpico?

Acho que a operação interfere, sim, no esporte brasileiro. A instituição fica afetada, porque seu líder máximo está sendo investigado, existem apreensões no comitê... Tudo isso deixa uma dúvida sobre a gestão nos bastidores de uma entidade tão importante como é o Comitê Olímpico do Brasil. Acho importante o presidente se desvincular, pedir licença durante esse período em que se defende, senão fica a entidade aí sofrendo. Seria importante mostrar elegância e dignidade e se afastar durante esse período de defesa.

O senhor considera que deveria haver algum tipo de intervenção no COB?

Não sei se temos que ter algum tipo de intervenção, apesar de o Comitê Olímpico ainda ter muitos recursos públicos. Se for comprovado algum ilícito, aí talvez valha algum tipo de intervenção. No dado momento, ainda não.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.