O 'agitado' casamento de Felipão

Técnico diz que relação com Alviverde é de amor e compara problemas do dia a dia ao de uma união com mulher feia

DANIEL BATISTA, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2011 | 03h04

A relação do técnico Luiz Felipe Scolari com o Palmeiras já ultrapassou o aspecto profissional há muito tempo. O seu relacionamento com o clube é parecido com um casamento e como todo envolvimento matrimonial é feito de muitas alegrias, mas também de alguns problemas. Com seu jeito peculiar, ele explicou esta conflituosa relação.

"Sou casado há 38 anos, a cada dia a gente se renova, tem mais amor e mais carinho. Mas levantar com uma mulher feia de manhã é 'brabo', e o Palmeiras é assim às vezes. Tem dias que é diabinho, sem pintura, plástica... Só com amor mesmo para manter o casamento", afirmou, caindo na gargalhada em seguida.

Várias vezes o Palmeiras vira uma mulher feia para Felipão e ele tem que recorrer ao amor para não desistir do casamento. A feiura fica gigantesca quando o assunto é o que acontece nos bastidores do clube. A má relação com o vice-presidente de futebol, Roberto Frizzo, é só a ponta do iceberg de tudo que o treinador tem de superar no dia a dia.

Conselheiros "cornetando" seu trabalho para o presidente é algo que já se tornou hábito. A pressão vem de todos os lados. Organizada pegando no pé, pressão de empresários para escalar determinado jogador e oposição divulgando informações para criar confusão colaboram na extensa lista de problemas que desgastam o relacionamento.

O aspecto financeiro também é problema. É difícil manter o casamento só com amor. Quando o treinador tenta trazer um jogador de alto nível, mas que custa um pouco mais, não consegue. O clube escolhe opção bem abaixo do que ele esperava. Por isso, o nível técnico do elenco é discutível e os resultados estão aparecendo graças à raça, como o próprio Felipão e até alguns atletas admitem. Kleber é um dos que falam abertamente do assunto.

Aliás, as atitudes de alguns jogadores colaboram para o desgaste. Na quinta-feira, por exemplo, após o Palmeiras vencer o Ceará por 1 a 0, Kleber saiu reclamando da falta de união do clube e de qualidade do elenco. Mais fogo para Felipão ter que apagar.

Valdivia também é um tema espinhoso. Além de se machucar com frequência, o jogador constantemente é chamado para a seleção chilena. Embora esteja se recuperando de lesão, foi convocado para as partidas contra Argentina e Peru, dias 7 e 11 de outubro, respectivamente.

"Vou dizer o quê? Não dá mais para discutir. O bom senso seria que ele não fosse, para se recuperar melhor da contusão, mas é lei. Tem de liberar", reclamou.

Discutindo a relação. O ditado "que seja eterno enquanto dure" cabe perfeitamente para o casamento entre técnico e clube. A pressão de parte dos conselheiros para que Tirone o demita é grande e Felipão já chegou a abrir mão da multa contratual para deixar claro que não está no Palmeiras apenas por dinheiro. No momento, a única coisa que quer é resolver os problemas que interferem no trabalho e ter um casamento feliz.

"Não sei se estão ficando de saco cheio de mim, mas seria bom se tudo fosse dito na cara. Ou tomamos um rumo ou o contrato será desfeito por qualquer parte. Mas estamos nos entendendo e acho que vai ficar tudo bem."

PALMEIRAS. CHICO, SUSPENSO, DESFALCA

O TIME EM GOIÁS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.