O América está de volta. Na 2.ª Divisão

Depois de 428 dias, o tradicional clube carioca faz hoje um jogo oficial

Bruno Lousada e Sílvio Barsetti, O Estadao de S.Paulo

16 de julho de 2009 | 00h00

Ficar 428 dias sem ver seu time entrar em campo, sem sofrer pela derrota inesperada e sem soltar o grito de gol é dolorido. Fere o coração. O torcedor do América sentiu isso na pele, temeu pelo fim do clube, pensou no pior. A esperança de dias melhores veio aos poucos com algumas parcerias importantes. Botafogo e Fluminense estenderam as mãos ao coirmão. Depois vieram a Penalty, a Gatorade, a Uniodonto e a Unimed, nova patrocinadora oficial. Tudo isso com a colaboração direta de Romário, torcedor do clube.Hoje, com um time formado após dois meses de trabalho do técnico Clóvis de Oliveira, o América volta a disputar uma partida oficial. Jogará às 20 horas contra o Bonsucesso, em Mesquita. O campeonato não faz jus à tradição do clube: é a Segunda Divisão Carioca. Mas, seguindo lema de Romário, cabe ao América lutar pelo título e assegurar o retorno à elite.Romário exerce na prática a função de dirigente do América (ele indicou a comissão técnica), embora renegue o termo. Sua empolgação com o ressurgimento do futebol do clube é grande. Quer logo o América na Primeira Divisão do Rio para brigar com Flamengo, Flu, Vasco e Botafogo. E almeja para 2010 que o time se classifique para a Série D Nacional. "O lugar do América é na Primeira Divisão do Brasileiro, lutando pelo título."O presidente Ulisses Salgado demonstra otimismo com a nova fase e acredita que o clube avançou nos últimos meses graças também à campanha "América, Patrimônio do Rio", lançada em janeiro, logo após sua posse. "Hoje temos uma visibilidade crescente porque o Rio abraçou o nosso pavilhão."Uma prova de que o América vive um momento especial pode ser conferida esta semana no horário nobre de algumas TVs do Rio, que veiculam um peça publicitária da Unimed com torcedores de outros clubes cantando o hino do América.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.