O Barcelona deu uma lição ao Milan

O time espanhol jogou muita bola no Camp Nou, ganhou por 4 a 0 e se classificou para as quartas de final

BARCELONA, O Estado de S.Paulo

13 de março de 2013 | 10h09

Noventa e cinco mil pessoas presentes ao Camp Nou e milhões que ficaram grudadas na frente da tevê ao redor do mundo tiveram ontem o privilégio de ver mais uma aula de futebol dada pelo Barcelona. O time que não se cansa de mostrar que é possível ganhar jogando bonito destroçou o Milan e avançou para as quartas de final da Copa dos Campeões com uma categórica vitória por 4 a 0. E agora espera pelo sorteio de amanhã para saber quem será o seu próximo adversário.

O time italiano havia vencido o jogo de ida por 2 a 0 num jogo em que não deixou o Barça respirar. Seus jogadores se multiplicaram na marcação, lutaram com apetite por todas as bolas e imobilizaram os homens de criação da equipe catalã. Para completar, foram sempre perigosos nos contragolpes e tiveram competência para aproveitar duas chances. Mas o Milan que se viu ontem na Espanha não teve nenhuma dessas virtudes. Os leões que tinham engolido o Barcelona no San Siro entraram na arena do Camp Nou como gatinhos assustados. E não conseguiram nem arranhar o gigante que estava do outro lado.

Montolivo, que em Milão marcou e jogou muito, ontem vagou pelo campo sem se encontrar com a bola. Ambrosini, que havia sido um colosso na marcação na partida em casa, contemplou o toque de bola do Barça sem conseguir fazer nada que impedisse Messi, Xavi e Iniesta de costurar as jogadas. Não houve nem valentia nem lucidez.

O golaço de Messi logo aos cinco minutos deixou o Milan apavorado. Havia 85 minutos de jogo pela frente e só com muita luta - e uma ajuda da sorte também - seria possível resistir à avalanche catalã.

Castigo. A sorte mostrou sua cara aos 38 minutos, quando Mascherano errou feio no meio do campo e permitiu que Niang partisse livre em direção à área. Era a chance para o gol que obrigaria o Barcelona a fazer mais três para se classificar. Mas o menino de 19 anos tremeu, viu o gol encolher até ficar do tamanho de uma caixa de fósforos e chutou na trave.

O time ainda lamentava a oportunidade perdida quando levou outro golpe. Messi recebeu na entrada da área aos 39 e bateu seco para fazer 2 a 0.

No segundo tempo o Milan voltou marcando mais longe de sua área numa tentativa de dificultar a armação das jogadas do Barça. Mas logo aos dez minutos David Villa fez 3 a 0, e aí tudo ficou muito mais difícil. O atacante jogou de centroavante para prender os zagueiros e diminuir o cerco a Messi, e cumpriu bem o seu papel.

O técnico Massimiliano Allegri colocou Robinho e Bojan para reforçar o ataque, mas é impossível atacar sem a bola. E o Barça ficava quase o tempo todo movendo a redonda de um lado para o outro.

Nos últimos dez minutos o Milan finalmente criou coragem para se lançar em busca do gol salvador. Robinho teve a chance de jogar a bola na área em uma falta aos 45 minutos, mas preferiu um passe curto para Muntari. Ele foi desarmado e no contragolpe Jordi Alba fechou o placar.

"Acreditamos na classificação desde que terminou o jogo em Milão. Hoje buscamos o gol a partir do apito inicial e vivemos uma noite maravilhosa", disse David Villa. O técnico Jordi Roura destacou a capacidade de recuperação de seus jogadores. "Eles vinham recebendo críticas exageradas, e hoje mostraram do que são capazes."

No lado do Milan ninguém procurou desculpas para tentar justificar o resultado. "O Barcelona fez uma partida extraordinária e não nos deixou jogar", disse Allegri. "Não tivemos uma atuação à altura da importância do jogo. Sofremos muito desde o início", afirmou Ambrosini.

Surpresa turca. No outro jogo de ontem, o Galatasaray arrancou a classificação com uma vitória de virada sobre o Schalke por 3 a 2 na Alemanha - o jogo de ida foi 1 a 1.

O atacante Ylmaz fez um dos gols e se igualou a Cristiano Ronaldo na artilharia com oito - Messi vem logo atrás com sete.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.