O capitão Cristiano Ronaldo decepciona

Astro da seleção portuguesa, de 25 anos, deixa o Mundial com apenas um gol marcado

, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2010 | 00h00

CIDADE DO CABO

Ninguém além de Cristiano Ronaldo chamava mais atenção na seleção portuguesa. O craque do Real Madrid, aliás, era um dos jogadores mais valorizados da Copa. No primeiro treino na África do Sul, os flashes estavam todos voltados para ele. E a cena se repetiu dia após dia. Mas, quatro jogos depois, uma constatação: faltou futebol para o jogador que um dia já recebeu o título de melhor do mundo.

Cristiano Ronaldo anotou apenas um gol na competição, na goleada por 7 a 0 sobre a fraca Coreia do Norte, também na Cidade do Cabo.

Ontem, de volta ao Green Point, o camisa 7 fracassou com seu time. Foi um dos piores em campo. O atacante não conseguiu dar as rápidas arrancadas, uma de suas principais virtudes. O drible também esteve em falta. E as cobranças de falta foram todas sem sucesso.

O técnico Carlos Queiroz tratou de amenizar as críticas sobre o atleta quando questionado por que não escolheu alguém mais experiente para receber a faixa de capitão ? aos 25 anos, Cristiano Ronaldo é um dos mais jovens do grupo. "Ele é nosso líder e nosso capitão", disse o treinador. "Foi uma decisão tomada desde antes." O jogador deixou o estádio sem dar entrevistas.

Por pouco. Os portugueses desejaram votos de boa sorte à Espanha no Mundial e lamentaram as chances perdidas. "Foi difícil, como todos viram. Temos de reconhecer que a Espanha tocou mais a bola e quem faz isso tem mais o controle da partida", disse Queiroz.

Apesar da desclassificação, o treinador afirmou que volta para casa satisfeito. "Viemos aqui para competir e para ganhar. Para nós o sucesso era, em primeiro lugar, fazer uma apresentação honrosa. Isso aconteceu e estamos satisfeitos", contou. "Agora nos resta voltar mais forte e competitivos na próxima vez."

A Copa da África do Sul também marca a despedida de Deco da seleção portuguesa. O brasileiro naturalizado só atuou por 62 minutos, contra a Costa do Marfim. Depois, sofreu lesão que o impediu de atuar no restante do Mundial. "Mas o balanço é positivo." Em sete anos, Deco disputou 75 jogos e marcou 5 gols. E, ontem, garantiu que se o Chelsea o liberar, pode ir para o Fluminense. / D.A.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.