O Corinthians deslanchou no final

Com dois gols nos últimos minutos, pouco depois de Chicão ter perdido um pênalti, o time bateu o União Barbarense por 3 a 0 e subiu para o quinto lugar

RAPHAEL RAMOS, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2013 | 02h06

Mesmo com um time cheio de reservas, o Corinthians não teve dificuldades para bater o União Barbarense, ontem, no Pacaembu. Depois de um primeiro tempo irregular, a equipe atropelou o adversário na etapa final e venceu por 3 a 0. Com a vitória, o Alvinegro chegou aos 21 pontos e subiu para a quinta colocação do Campeonato Paulista.

Desde o início do jogo, a estratégia do União Barbarense ficou muito clara: povoar o meio de campo para dificultar a transição do Corinthians e, assim, proteger o trio de zagueiros. E, pelo menos nos primeiros 45 minutos, a proposta deu certo.

O Corinthians não tinha espaço para jogar. O time rodava a bola de um lado para o outro, mas não conseguia furar o bloqueio defensivo do Barbarense. Sem alternativas, Romarinho tentou enganar o árbitro Marcelo Aparecido Ribeiro Souza simulando um pênalti e acabou levando o cartão amarelo.

Somente depois dos 20 minutos é que o Corinthians começou a jogar melhor. A equipe passou a usar mais as jogadas em profundidade e a trocar passes em velocidade para derrubar o ferrolho do Barbarense. Uma triangulação entre Fábio Santos, Douglas e Emerson foi a melhor chance criada pela equipe e por muito pouco não terminou em gol.

No segundo tempo, a chuva apertou e o jogo ficou mais truncado. Mas o Corinthians conseguiu chegar ao gol porque os seus jogadores passaram a se movimentar a mais.

Foi num lance justamente assim que Douglas abriu o placar aos oito minutos. Emerson, que deveria estar dentro da área esperando o passe do meia, caiu pelo lado direito, atraiu a marcação e tocou para Douglas, sozinho, só empurrar para o funda da rede.

Três minutos depois, em uma jogada muito parecida, o Corinthians quase fez o segundo. Jorge Henrique avançou pela direita e rolou para Douglas, que pegou mal na bola e acabou chutando por cima.

Mesmo em desvantagem, o Barbarense não se arriscou ao ataque. A equipe estava mais preocupada em não levar o segundo gol e, assim, facilitava a vida do Corinthians.

O time ditava o ritmo do jogo e ampliou o domínio depois que Tite substituiu Guilherme e Romarinho por Paulinho e Renato Augusto, respectivamente. O Corinthians controlava as ações ofensivas e acuou o Barbarense no seu campo de defesa.

Aos 39 minutos, o árbitro marcou em pênalti depois que Gil foi agarrado dentro da área. Na cobrança, Chicão bateu mal e o goleiro defendeu.

O Corinthians não se abateu e três minutos depois fez o segundo. Após boa jogada de Emerson, Jorge Henrique bateu forte, sem chances para o goleiro.

Mas o melhor ainda estava por vir. Nos acréscimos, Renato Augusto recebeu na esquerda e, com uma cavadinha, encobriu o goleiro para fechar o placar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.