O dia em que o gol diminuiu

Bruno, Lauro, Fernando Henrique e Felipe pararam Ronaldo, Fred e Cia.

Wilson Baldini Jr., O Estadao de S.Paulo

15 de maio de 2009 | 00h00

A essência do futebol é o gol. Natural que os atacantes tenham a preferência dos torcedores e mais destaque na mídia. O retorno de Ronaldo, Adriano e Fred aos campos nacionais e os gols de Nilmar e Keirrison lotaram os estádios e foram enaltecidos exaustivamente no noticiário. Mas nos jogos deste meio de semana veio o contra-ataque dos goleiros. Cinco deles, em especial, fecharam o gol com atuações de destaque.Depois de Marcos garantir o Palmeiras nas quartas da Libertadores ao fazer grandes defesas no tempo normal e defender três pênaltis, terça-feira, no Recife, diante do Sport, o flamenguista Bruno, o colorado Lauro, o corintiano Felipe e o tricolor Fernando Henrique foram os responsáveis para que Corinthians x Fluminense e Flamengo x Inter só tivessem um gol - o de Dentinho, na vitória do Corinthians - nos duelos das quartas de final da Copa do Brasil.Bruno fez a defesa mais espetacular. Andrezinho chutou de fora da área e a bola explodiu na trave. Rosinei tocou e Bruno, caído, se esticou todo para salvar e ainda teve fôlego para desviar com o pé, tirando a chance de Nilmar abrir o placar. As boas atuações do camisa 1 da Gávea estão chamando a atenção até do futebol europeu. Segundo o jornal português A Bola, o técnico Carlos Queiroz, da seleção portuguesa, quer saber se o jogador é descendente de portugueses e tem passaporte europeu para, no futuro, poder ser convocado. "O mais importante é que o time todo está jogando bem", afirmou BrunoLauro não ficou atrás e mostrou grande reflexo ao espalmar o chute à queima-roupa de Ronaldo Angelim. "Sabia que se eu não tomasse gol, a equipe sairia com vantagem para o segundo jogo no Sul", disse o goleiro do Inter. Com a ajuda das traves - foram duas finalizações do Flamengo e uma do Inter - o placar não poderia mesmo ser alterado no Maracanã.No Pacaembu, Felipe segue com boas atuações, que se sucedem desde as finais do Paulista. O goleiro corintiano foi arrojado em uma saída de gol e teve calma em um disparo de Thiago Neves. "Foi uma das nossas melhores atuações", festejou.Fernando Henrique também tinha motivos para comemorar. Defendeu dois chutes de Ronaldo e outras quatro, duas com os pés, que poderiam deixar o time carioca em difícil situação para o jogo do Maracanã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.