O funk vai embalar a festa pela medalha de Valéria

Carateca já sabe como irá comemorar a prata: nos bailes cariocas

Vinícius Saponara, O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2027 | 00h00

Valéria Kumizaki não ganhou a tão sonhada medalha de ouro em sua categoria (até 53 kg) do caratê nos Jogos Pan-Americanos, mas tem muito o que comemorar. E já tem até local marcado para isso. A prata conquistada ontem - perdeu a final para a guatemalteca Cheili González, no Complexo Miécimo da Silva, em Campo Grande (zona oeste do Rio) - será festejada num baile funk do Rio, ritmo musical mais adorado pela carateca.''''Estou louca agora para ir a um baile funk. Quero quebrar tudo. Até treinava ao som de funk. Tenho que aproveitar agora'''', disse Valéria, sorridente após a cerimônia de entrega das medalhas. Mas o lado religioso, muito forte na carateca, não foi esquecido. ''''Vou passar primeiro numa igreja, rezar para agradecer o que conquistei e aí ir para o baile.''''Com 22 anos e em seu primeiro Pan, Valéria admitiu que faltou um pouco de experiência na luta final contra uma rival a quem já tinha batido na fase de classificação. ''''Acho que fui com muita sede ao pote na decisão. Muita empolgação. Aí sofri a penalização e fiquei nervosa. Não me lembro do que houve depois.''''Mesmo com a prata, a carateca espera que seu desempenho possa valer alguma coisa para o esporte no futuro. ''''Quero muito ajudar o caratê a ser mais conhecido e praticado. Queria muito o ouro. Não deu, mas fico feliz com a prata e espero que a gente passe Cuba no quadro de medalhas'''', comentou.BRONZEAlém de Valéria, o caratê brasileiro conseguiu mais uma medalha ontem. O mineiro Nélson Sardemberg conquistou o bronze na categoria até 80 kg. ''''Foi uma boa recompensa por tudo que passei neste ano. Mas o esporte é assim mesmo. A gente ganha e perde. Estou honrado com a minha conquista'''', disse.Sobre o futuro, o carateca de 36 anos revelou que ainda não sabe o que fará. Quer primeiro descansar com a família. ''''Assim como no futebol, a idade pesa para o caratê. A explosão não é a mesma e isso é fundamental. Vou pensar no que fazer. Não sei ainda'''', falou.A próxima competição será o Mundial, em outubro do ano que vem, no Japão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.