O futebol francês e as mulheres

Ribéry dormiu com uma prostituta, de luxo, uma belíssima senhorita de cabelos loiros, e corre o risco até de ser preso. Sua carreira está comprometida? A França treme

Gilles Lapouge, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2010 | 00h00

A França finalmente tem um affair sexual. Estava ficando chato. Todo país dá um jeito de ter seu escândalo sexual de vez em quando. Os Estados Unidos tiveram Bill Clinton e Monica Lewinsky no Salão Oval da Casa Branca. Mais recentemente, o golfista Tiger Woods assumiu o bastão, brilhantemente, quando se ficou sabendo que esse esportista irrepreensível consumia toda sorte de jovens mulheres.

A França estava na rabeira. Ela teve uma pequena esperança, há um mês, quando foi revelado que a primeira-dama, a magnífica Carla Bruni, em vez de passar noites soporíferas no Palácio do Eliseu com o "seu Nicolas" (Sarkozy, presidente francês), se divertia com o cantor Benjamin.

Esse raio de esperança já não brilha há tempo. Logo ficou claro que o caso de Carla e Benjamin era uma "brincadeira", um rumor espalhado por um daqueles horríveis tabloides ingleses. A primeira-dama da França é pura como um anjo e passa suas noites loucas no Eliseu.

As pessoas ficaram um pouco desanimadas. A França estragava tudo. Ela não sabia produzir nada: nem lucros com seu comércio exterior, nem vitórias no futebol, nem histórias de sexo. Mas eis que nos últimos dias surgiu uma surpresa divina: um de seus esportistas mais famosos, o jogador de futebol Frank Ribéry, que aliás não joga na França, mas no Bayern da Alemanha, foi apanhado com a boca na botija.

Melhor ainda: Ribéry dormiu com uma prostituta, uma marroquina, uma belíssima senhorita de cabelos loiros. E ela é de luxo: entre 1 mil e 2 mil por programa. E gosta um bocado de jogadores. Passou outra noite com outro jogador, Sydney Govou, que ficou espantado, pela manhã, quando ela lhe pediu seus 2 mil. Tinha certeza de que a havia seduzido. Esse Sydney Gouvou vai se safar. Quando negociou com a bela marroquina, Zahia, esta tinha justo 18 anos. Ribéry não teve a mesma sorte. Quando ele amou Zahia, tinha 17. Assim, Ribéry corre o risco de pegar três anos de prisão e uma multa de 45 mil.

A carreira de Ribéry estará comprometida? Ele será convocado para a Copa? A França treme. Esse Ribéry é muito útil. Corre como uma zebra e chuta como uma mula. Mas já circulam informações de que o Real Madrid desistiu de sua contratação. Outra preocupação: a mulher de Ribéry, uma muçulmana, estaria furiosa. Mas Ribéry a ama. Prova disso é que se converteu ao islamismo.

Para preparar este artigo, pesquisei o problema das relações entre sexo e futebol. Li o livro de Patrick Mendelewitsch, Sexus footballisticus. Fiquei sabendo que os jogadores são ricos, jovens, cheios de energia e fazem "consumo frenético de sexo". Mendelewitsch fornece um exemplo lamentável: outro jogador de alto nível, cujo nome não é citado, faz amor com sua mulher nove vezes por dia. Nove vezes? É, nove vezes.

É CORRESPONDENTE EM PARIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.