'O futebol na Olimpíada é deficitário', diz Havelange

Presidente de honra da Fifa e membro do Comitê Olímpico Internacional (COI) desde 1963, João Havelange, de 92 anos, fez duras críticas à organização dos Jogos de Pequim. Em entrevista em seu luxuoso escritório, no centro do Rio de Janeiro, ele disse que essa edição da Olimpíada representará prejuízo certo para as confederações nacionais de futebol.Havelange também revelou que, nas próximas edições dos Jogos Olímpicos, o futebol deve ser disputado por atletas com até 17 anos de idade - atualmente, o limite é de 23 anos. "O futebol na Olimpíada é deficitário", declarou o homem que presidiu a Fifa por 24 anos - 1974 a 1998. "A CBF vai gastar pelo menos US$ 3 milhões (R$ 4,77 milhões) com a seleção e terá de arcar com o salário imenso dos jogadores."Havelange voltou a defender a demolição do Maracanã e do Morumbi, os dois principais estádios do Brasil, que serão utilizados no Mundial de 2014. E sobre a candidatura do Rio de Janeiro para ser sede dos Jogos Olímpicos de 2016, ele mostrou-se preocupado com o setor de acomodações - item que recebeu a pior nota na avaliação do COI entre as quatro cidades finalistas (Chicago, Tóquio e Madrid também estão na disputa)."O Rio necessita de pelo menos 40 mil quartos (exigência do COI) e temos apenas 23 mil", disse Havelange, que cobrou do governo investimento em infra-estrutura. "Está tudo abandonado nos aeroportos do Rio."As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.