'O gol não passou de um acidente', afirma Mano

Técnico brasileiro diz que resultado adequado para a partida teria sido um empate e aposta que time vai assimilar derrota

Livio Oricchio, ENVIADO ESPECIAL / DOHA, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2010 | 00h00

A derrota por 1 a 0 para a Argentina não pode mascarar o saldo positivo da primeira fase do trabalho do novo grupo que começa a se definir na seleção brasileira. Essas foram algumas das primeiras palavras de Mano Menezes, ontem, depois do jogo em que a equipe perdeu a primeira partida sob seu comando.

"Temos de analisar pelo todo, o time teve boa postura, o empate seria mais justo", justificou o técnico. Mano lembrou que o elenco é basicamente muito jovem. "E no momento isso implica alguns riscos, mas no futuro trará benefícios."

O desempenho da seleção agradou Mano Menezes. "O adversário chegou uma ou duas vezes ao nosso gol nos últimos 45 minutos, nós estivemos mais próximos (do gol) durante toda a partida", analisou o técnico. Seu diagnóstico para a derrota: "Talvez tenha faltado aquela experiência, chegaremos lá. Não se toma um gol nessa hora do jogo, quando as equipes estavam já levando a partida para o final, sem maior interesse na vitória."

A inexperiência justificou o gol sofrido. E como interpretar as oportunidades perdidas? "Sim, erramos no último momento, faltou qualidade no instante final e esses jogadores têm esta qualidade. Eles têm de manter a calma. Isso (conclusão das jogadas equivocadas) faz parte do futebol."

Ronaldinho aprovado. Ronaldinho Gaúcho foi bem avaliado pelo técnico da seleção. "Fez um bom jogo, assumiu a responsabilidade de criar a maioria das jogadas, o substituí por causa do desgaste físico e não por estar insatisfeito." Ao comentar de Ronaldinho, Mano Menezes claramente deixou passar ter gostado do seu desempenho e principalmente o interesse evidenciado em campo. Parece ter garantido novas convocações.

O Brasil fugiu, ontem, ao esquema de jogo que vinha utilizando Mano Menezes nos primeiros jogos à frente da seleção brasileira. "Eu vinha optando por três jogadores mais à frente e três mais atrás. Isso aumenta nossa força ofensiva, mas nos expõe mais. Contra a Argentina decidi ter quatro no meio e apenas dois avançados."

Mesmo com essa maior preocupação defensiva da que utilizava, a equipe perdeu a partida. "O gol foi um acidente", definiu Mano Menezes, sem desmerecer a Argentina.

Apesar do resultado desfavorável, Mano Menezes manteve-se sereno todo instante. Repetiu que o saldo do período de formação do grupo é bem positivo, menos pelos resultados e mais pelo amadurecimento da equipe. Mais que isso. Para ele, o começo tem sido animador neste sentido. "Uma derrota sempre nos deixa tristes, mas entendemos o momento e a maneira em que aconteceu. Vamos saber interpretá-la e avançar para a fase seguinte do trabalho."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.