O maior campeão

Com gol de Borges, o São Paulo ganha do Goiás por 1 a 0, no Bezerrão, e garante seu sexto título nacional

Almir Leite, O Estadao de S.Paulo

08 de dezembro de 2008 | 00h00

O São Paulo é mesmo quem manda no futebol brasileiro. É tri! É hexa! É o dono da bola. A supremacia absoluta e que agora não deixa margem para nenhuma dúvida - o Flamengo se considera detentor de cinco títulos, embora a CBF não reconheça - foi garantida ontem, com a vitória por 1 a 0 sobre o Goiás, no Estádio Bezerrão. Coroou uma grande campanha, marcada, acima de tudo, por forte poder de reação. Um time que quando o campeonato já estava no segundo turno, ou seja, se aproximando de sua reta final, chegou a ficar 11 pontos atrás de um adversário como o Grêmio, mas conseguiu reagir e terminar três pontos à frente (75 a 72), merece ser campeão.Esse tri é especial por vários motivos. Entre eles, por ser o primeiro tricampeonato de fato da história do São Paulo, equipe que, entre outras conquistas, soma três Libertadores e três Mundiais interclubes.Pena que o mais disputado Brasileiro nos últimos anos termine maculado por mais uma confusão, esta nascida no sábado por conta de uma suspeita de tentativa de manipulação do jogo de ontem no Distrito Federal. O árbitro terminaria trocado, a CBF preferiu se omitir a dar o nome dos envolvidos (promete fazê-lo somente hoje), o São Paulo acabou rompendo com a Federação Paulista, por entender-se prejudicado com a denúncia (leia à pág. 3) e ontem venceu com um gol irregular - Borges estava impedido (1m31 à frente) ao desviar o chute de Hugo aos 22 minutos do primeiro tempo, após o goleiro Harlei rebater a falta cobrada por Rogério Ceni. Mas nada disso desmerece a conquista tricolor, pelo que o time fez em 38 rodadas.Nenhum time é mais campeão que o tricolor paulista desde que o Nacional foi criado, em 1971. Foram seis títulos (1977/1986/1991/2006/2007/2008), os três últimos consecutivos e comandados pelo mesmo homem, Muricy Ramalho, um técnico tão turrão quanto competente. "Esse ano foi difícil, estive para sair, mas a torcida sempre me apoiou e decidi me apoiar no meu trabalho??, disse Muricy. "Agora, o São Paulo é hexacampeão e eu tri. Acho que dificilmente vai acontecer isso outra vez??, comemorou.Comemoração justa. O São Paulo de 2008, tecnicamente, é inferior aos das duas conquistas anteriores. Em determinado momento, estava tão mal que houve quem jogasse a toalha. O próprio Muricy chegou a falar que a meta seria assegurar vaga na Libertadores. Mas o time foi se entrosando, se acertando e as vitórias voltaram. O futebol não encheu os olhos, mas foi competitivo, eficiente.Na semana passada, perdeu seu primeiro match point, ao empatar por 1 a 1 com o Fluminense. Mas um time como o São Paulo não costuma desperdiçar uma segunda chance.Os dias que antecederam ao jogo com o Goiás foram nervosos. Alguns jogadores demonstraram irritação incomum. Muricy exagerou no mau humor. Os goianos fizeram pressão, usando para isso o preço dos ingressos e um suposto descontentamento com a marcação, pela CBF, do jogo para o Bezerrão. O Grêmio também quis pressionar, ameaçando pedir a paralisação do campeonato, "solidário?? à reclamação do Goiás. No sábado, surgiu a suspeita envolvendo a arbitragem. Havia outra suspeita, a de que malas brancas estavam a caminho de Goiânia. Mas nada disso abalou o São Paulo. "Viemos aqui para ser campeão??, resumiu antes do jogo Rogério Ceni.Com a bola rolando, o que se viu foi o São Paulo jogando como um campeão. Muricy soube neutralizar o ponto principal do Goiás, Paulo Bayer. Para isso, ?colou? Richarlyson no meia, responsável pela articulação das jogadas de seu time. Também fechou os espaços para que o eficiente lateral-direito Vitor pudesse avançar. Além disso, o time "acuou?? os goianos, pressionando na maior parte do tempo e dominando a partida.Vitória tricolor, de nada adiantou o Grêmio fazer 2 a 0 no Atlético-MG. O título ficou o time mais eficiente. Foram 21 vitórias, 12 empates e apenas 5 derrotas. Um tri merecido. CHAVES DO JOGO1. INICIATIVAO São Paulo se impôs desde os primeiros minutos, não dando chance ao Goiás2. MARCAÇÃO FORTERicharlyson marcou individualmente Paulo Baier e anulou o meia, o homem de criação dos goianos3. A VANTAGEMO gol logo na primeira parte da partida deu tranqüilidade ao time

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.