O mesmo espírito em 1992 e 2008

Zé Roberto vê semelhanças nas conquistas de homens e mulheres.

Amanda Romanelli, O Estadao de S.Paulo

28 de agosto de 2008 | 00h00

Único técnico do mundo a conquistar o título olímpico com as seleções masculina e feminina de vôlei, José Roberto Guimarães disse ter visto semelhanças nas campanhas dos Jogos de Barcelona, em 1992, quando foi campeão com os homens, e na de Pequim. "Mas uma das grandes diferenças é que estou 16 anos mais velho", brincou o treinador, que completou 54 anos às vésperas da bem-sucedida campanha chinesa.Zé Roberto disse que o espírito de equipe dos atletas e o alto- astral da comissão técnica são os paralelos entre as duas vitoriosas jornadas. "Assim como os meninos fizeram na Espanha, todas elas foram muito solidárias, fiéis aos treinos e aos momentos de descanso", explicou, derramando-se em elogios aos dois grupos que comandou. "Ninguém ficou batendo perna ou desperdiçou energia."Outro ponto em comum dois dois times vencedores: o ouro olímpico chegou após uma série de "quase-vitórias", lembra o técnico. "Com o masculino também foi assim. Várias vezes a equipe chegou perto do pódio e não conseguiu ganhar", relembrou. Antes do ouro em Barcelona, o Brasil havia sido vice-campeão no Pan-Americano de Havana, em 1991, e 5º colocado na Liga Mundial.Zé Roberto afirma, contudo, que as meninas dificilmente conseguirão construir a hegemonia já experimentada pelos homens. "Adoraria que isso acontecesse, mas o mundo do vôlei feminino vai mudar", avaliou. "Vamos manter uma base, mas perderemos jogadoras importantes, assim como Cuba e Rússia também sofrerão", comentou. "Isso dificulta um pouco as coisas." O técnico, entretanto, prefere acreditar que tudo tem sua hora, para ficar num lugar-comum adequado para a situação. E que o momento, por enquanto, é brasileiro. Emitiu, até, uma opinião polêmica sobre alguns dos fracassos da equipe feminina nos últimos anos. Em sua avaliação, a seleção não merecia ser campeã olímpica em Atenas, em 2004, nem nos Jogos Pan-Americanos do Rio, no ano passado. "Não tivemos tempo adequado na preparação e nem todas as jogadoras à disposição", ponderou. "Felizmente, pudemos unir as duas coisas antes da Olimpíada deste ano."AGORA, FORTALEZAAs campeãs olímpicas terão pouco tempo para descansar. Na quarta-feira, o Brasil estréia no torneio Final Four, que será disputado em Fortaleza. Além da equipe medalha de ouro, participam Cuba, Argentina e República Dominicana. Todas as seleções jogam entre si e o título será decidido no domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.