''O Palmeiras não é o Santos'', diz Luxemburgo

Técnico tenta diminuir pressão contra o Fluminense, hoje, e afirma que seu time está em situação tranqüila

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

16 de julho de 2008 | 00h00

Sem vencer há três rodadas e com vários desfalques, o Palmeiras não vive boa situação no Campeonato Brasileiro. Vanderlei Luxemburgo, no entanto, rema em situação contrária e afirma que tudo anda de acordo com o seu planejamento. A verdade, porém, é que hoje, às 21h45, no Palestra Itália, os palmeirenses têm a obrigação de vencer o Fluminense. Acesse e acompanhe onlineLuxemburgo se irritou com as questões levantadas pelos jornalistas na tarde de ontem, na Academia de Futebol. Do nada, citou o Santos, que está na zona de rebaixamento. "Parece que o Palmeiras é o Santos, na rabeira da tabela e lutando para não cair", esbravejou. "Acho que está tudo dentro do normal. Não vejo tantas coisas ruins como vocês (jornalistas) estão vendo. Estamos dentro de um bolo bom, o bolo gostoso", disse. "Mas é claro que eu queria estar lá na frente", emendou.O Palmeiras é o quinto colocado, com 18 pontos. Está a apenas dois do Vitória, o 4º, e oito atrás do líder Flamengo. No fim de junho, Luxemburgo avisou que os dois meses seguintes seriam decisivos para definir os times que vão brigar pelo título. Marcos falou que o Palmeiras daria uma arrancada, quando os jogos começassem a ser disputados duas vezes por semana. Até agora, contudo, nada deu certo - foram dois empates (contra Atlético-MG e Figueirense) e uma derrota (domingo, diante do São Paulo). "Pelo projeto, ainda estamos dentro do bolo. O Palmeiras vai ter de caminhar muito para brigar pelo título. Não temos o melhor elenco, mas vamos brigar para sermos campeões", prometeu Luxemburgo.Hoje, contra o Fluminense, o Palmeiras novamente vai sofrer com os desfalques. No meio, Martinez e Pierre estão machucados e, na frente, Alex Mineiro está suspenso. Luxemburgo ressalta que tantas modificações têm prejudicado o rendimento do time. "As mudanças acontecem e trazem prejuízos", afirmou. "Sempre temos a possibilidade de novas contratações. Nosso elenco é bom, as mudanças é que foram ruins."Dos últimos três resultados, Luxemburgo define como ruim apenas o empate contra o Figueirense, na capital paulista. Hoje, uma nova igualdade será péssima para o Palmeiras. "Quem joga para empatar no Brasileiro está roubado", comentou o treinador. "Jogando em casa é pior ainda."DENILSON OU LENNY?Sem Alex Mineiro - que atuou em todas as partidas na temporada -, a dúvida é em relação ao companheiro de Kléber, que atuará mais centrado na área: Denilson ou Lenny. No meio, a expectativa é de que Valdivia renda mais que nas últimas partidas. "O Valdivia está no mesmo contexto que a equipe. Claro que ele não produziu o mesmo que no Estadual, mas vai voltar a ser o que era. É questão de momento", apostou o treinador. "Ele tem toda a minha confiança." Atuando no Palestra, os jogadores só esperam não decepcionar a torcida. "Em casa, quem toca a música e o Palmeiras", disse o zagueiro Jeci.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.