O Relâmpago jamaicano dá a largada hoje na temporada

O recordista mundial Usain Bolt cumpre, em casa, sua primeira prova nos 100 m este ano

, O Estadao de S.Paulo

14 de março de 2009 | 00h00

Usain Bolt, o relâmpago das pistas, está de volta. O jamaicano de 22 anos faz hoje, em um acanhado torneio em seu país, a esperada estreia na prova em que assombrou o mundo no último ano: os 100 metros. O GC Foster Classic, disputado na cidade de Spanish Town, é, antes de mais nada, uma competição regional. Mas já tem seu lugar marcado na história: foi o primeiro torneio que o velocista disputou no ano passado, antes de se tornar recordista mundial e campeão olímpico dos 100 m, 200 m e do revezamento 4 x 100 m. A evolução de Bolt nos 100 m em um ano impressiona - até porque o velocista sempre admitiu que os 200 m são sua especialidade. Em março, venceu o Foster Classic com 10s03, seu melhor tempo até então. Dali em diante, fez história. No Meeting Internacional da Jamaica, em maio, correu 9s76, apenas dois centésimos acima do então recorde mundial, do compatriota Asafa Powell. No mesmo mês, no nobre Grande Prêmio de Nova York, cravou 9s72. Aos 21 anos, era recordista mundial dos 100 m, um fenômeno que surgia três meses antes dos Jogos Olímpicos de Pequim. A despeito de uma série de insinuações - especialmente relacionadas ao uso de doping -, Bolt não é um talento surgido do nada. Sua primeira aparição de peso foi em 2002, no Mundial Juvenil de Kingston, quando venceu os 200 m. Tinha apenas 15 anos e corria em um campeonato cujo limite de idade é de 19 anos. Na temporada seguinte, tornou-se recordista mundial juvenil - fez 20s13, marca ainda intocada. Mas foi na Olimpíada de Pequim que Bolt mostrou o que já fez de melhor. No Ninho de Pássaros, não só venceu as três provas que disputou como também estabeleceu novas marcas mundiais. Sem dúvida, a que mais o emocionou foi a quebra do recorde dos 200 m - no dia de seu aniversário, 21 de agosto, tomou do americano Michael Johnson marca (19s32) obtida em 1996. EM MAIO, ESTREIA MUNDIALNa pré-temporada, Bolt participou de duas provas de 400 m e de dois revezamentos (4 x 100 m e 4 x 400 m). Depois das competições, não mostrou o mesmo fôlego de Pequim, quando passou pela linha de chegada olhando para os lados, quase dançando. "No geral fui bem, mas fiquei um pouco cansado", admitiu. "Não estou na minha melhor forma, mas chegarei lá."Seu debut em provas internacionais será na própria Jamaica, em 2 de maio. Depois, correrá três ou quatro meetings, antes das seletivas jamaicanas para o Mundial de Berlim, em agosto. "Quero chegar lá pronto para executar o que posso fazer de melhor, assim como fiz em Pequim." Melhor não duvidar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.