O sonho acabou

Embora tenha feito uma das suas melhores partidas, o Brasil não aguentou a forte pressão da República Checa e deixou escapar a chance de alcançar o [br]pódio. Vai disputar apenas o 9º lugar

, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2010 | 00h00

BRNO, REPÚBLICA CHECA

Era a última chance de conseguir uma vaga nas quartas de final e seguir em busca do pódio, para superar a edição anterior, realizada no Brasil, quando terminou em 4.º lugar. No entanto, deu tudo errado para a seleção. Como o Japão já havia perdido para a Coreia do Sul ( 65 a 64), as brasileiras teriam de vencer o duro confronto contra as donas da casa. Até se empenharam e terminaram o primeiro tempo na frente. Mas, nervosas, passaram a desperdiçar oportunidades de ataque e foram superadas por 14 pontos de diferença: 84 a 70.

Em vez de melhorar a posição no Mundial, o grupo, que reúne três gerações - Alessandra, de 37 anos, Érika, de 28, e Damiris, de 17- fez uma das piores campanhas na competição: ganhou apenas dois jogos em seis disputados e terminou em 5.º no Grupo F -as quatro primeiras equipes se classificaram. Além disso, foi a primeira vez, desde 90, que o Brasil não conseguiu avançar às quartas de final. Agora, resta disputar o 9.º lugar, para não repetir 1974, quando o País terminou em 12.º, superando apenas o Senegal. O Brasil enfrenta o Canadá amanhã, às 6 horas (de Brasília).

Segundo as jogadoras, o problema para o baixo desempenho foi o mau entrosamento no início do Mundial, refletido na derrota para Coreia do Sul, na estreia. "Nos primeiros jogos faltou confiança. Tem de começar já 100%", disse Iziane, que marcou 27 pontos ontem.

O técnico Carlos Colinas, contratado em março, também reclamou da atuação brasileira. "Não achei que o Mundial foi positivo. Salvo o jogo de ontem (terça-feira) contra o Japão, perdemos a atenção necessária em momentos importantes", disse.

O último embate. Com a obrigação de ganhar, o Brasil começou se impondo e fazendo um jogo equilibrado com as gigantes da República Checa, que pareciam ainda maiores com o apoio da torcida. A seleção terminou o segundo quarto com dois pontos de vantagem: 36 a 34. Porém, a partir daí, as brasileiras perderam muitas chances ofensivas, algumas com erros bobos, como andar com a bola ou pisar na linha de fundo.

No começo do terceiro quarto, a equipe chegou a desperdiçar quatro ataques seguidos e só não perdeu o quinto porque Iziane conseguiu forçar uma falta. O jogo, aliás, foi marcado pelo excesso de faltas. Ainda mais com o nervosismo das brasileiras nos minutos finais. Erika, por exemplo, saiu após a 5.ª penalidade.

Agora, a seleção precisa torcer para os Estados Unidos vencerem o Mundial. Assim, a disputa do Pré-Olímpico do ano que vem, que vale vaga para Londres, fica mais tranquila para o Brasil.

Ainda sem saber se continua no comando da seleção, Colinas fez uma avaliação positiva sobre seu primeiro trabalho à frente de uma equipe adulta. "Tenho a consciência tranquila", afirmou. Já a ex-jogadora Janeth, vista por Hortência como o principal nome para treinar a equipe em 2016, fez ressalvas sobre a postura do time. "Quando a bola não caía, tivemos momentos de insegurança de jogadoras líderes da equipe", ponderou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.