O trabalhador Muricy, de novo o melhor

Se há uma palavra repetida à exaustão no vocabulário de Muricy Ramalho é o verbo "trabalhar". E como trabalhou o técnico em 2008. A ponto de ter levado o São Paulo, quando todos achavam que o título brasileiro parecia impossível, ao inédito hexacampeonato nacional. Não à toa, o paulistano de 53 anos, reconhecido tanto pela competência quanto pelo mau humor, acabou escolhido, pela 4.ª vez, o melhor técnico do Brasil na Pesquisa Estado: amealhou 84,32 % dos votos, deixando para trás o gremista Celso Roth (7,56 %) e o corintiano Mano Menezes (5,40 %).Exausto ao fim de uma temporada cheia de altos e baixos, Muricy não esconde que este foi o ano mais difícil desde que reassumiu o São Paulo, em 2006. "Sem dúvida, foi o ano mais duro que trabalhei."Mas também foi o ano em que virou unanimidade. Bancado pelo presidente Juvenal Juvêncio, sentiu as vozes contrárias à sua permanência no Morumbi serem silenciadas. Assumiu o papel de "resmungão-gente boa" e virou primeiro candidato à vaga de Dunga. Muricy diz que a seleção é um desejo, mas não obsessão. Ao contrário da conquista da Libertadores que não quer deixar escapar de jeito nenhum em 2009.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.