OAB condena brincadeira no treino do Figueirense

Atletas evitam polêmica, mas não vão repetir ?punição?

Júlio Castro, O Estadao de S.Paulo

21 de março de 2009 | 00h00

A polêmica "punição" ao meia Jairo, do Figueirense, de Florianópolis (SC), que teve de usar um vestido rosa durante um treinamento, numa espécie de punição por ter sido escolhido o pior jogador no treinamento, despertou a indignação de setores como a Ordem dos Advogados do Brasil. O presidente da OAB Nacional, César Britto, condenou a punição nada convencional através de uma nota de repúdio. Para Britto, a humilhação pública, mesclada com preconceito, não pode ser entendida como uma atitude normal ou corriqueira de uma categoria profissional, ainda que seja no ambiente informal dos campos de futebol. "Além do evidente abuso moral, pode se caracterizar como crime", disse o presidente da OAB. "São humilhações como estas, principalmente quanto se trata de futebol, que projetam o Brasil como um país que não cumpre com sua própria legislação." A iniciativa, aprovada pelo técnico Roberto Fernandes, ganhou repercussão nacional. "Foi uma brincadeira de grupo e acabou vazando. No próximo treino, vamos inventar outro tipo de mico, uma coisa menos chamativa, mas vestido rosa não dá mais não", admitiu o meia Jairo, pivô da invenção - o vestido foi emprestado pela esposa do meia Roger. Para o lateral-esquerdo Anderson Pico, ex-Grêmio, não há motivo para polêmica. "Se acontecesse comigo, levaria na brincadeira. Isto é saudável dentro do clube." A diretoria do Figueirense emitiu nota informando que a eleição do melhor e pior do treino é feita pelos jogadores. O técnico da equipe negou ser o autor da determinação e disse que a brincadeira em nada tem a ver com seus métodos de trabalho. "Elas são definidas de comum acordo pelos atletas dentro de um clima sadio, de amizade e de total descontração", esquivou-se Fernandes. Em Florianópolis, o assunto ganhou enfoque diferente: desviou o foco do momento ruim que atravessa o time no Estadual - o clube não tem mais chances de se classificar para o quadrangular final da competição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.