Okayo diz que não esperava a vitória

Apesar da folgada vantagem sobre as demais participantes, a queniana Margaret Okayo confessou que não acreditava em sua vitória na São Silvestre deste ano. "Eu estava em boa forma, mas sabia que as corredoras brasileiras viriam em ritmo forte, por isso não esperava pela vitória", afirmou a grande campeã da 79ª edição da prova.Margaret Okayo já tinha participado da São Silvestre, em 2001, quando ficou em segundo lugar, atrás da brasileira Maria Zeferina Baldaia. "Em 2001 fiz a minha primeira corrida aqui e percebi que os três últimos quilômetros são muito duros e, por isso, perdi no final. Desta vez, eu começei forte desde o início", explicou a queniana, mostrando que ainda estava com fôlego depois de correr os 15 quilômetros pelas ruas de São Paulo. "O que vou fazer na noite de Ano Novo? Vou para uma festa onde pretendo dançar."Superação - Para a brasileira Márcia Narloch, que chegou em terceiro lugar, valeu a pena apostar em mais uma participação na São Silvestre. "Achei que não tinha perna para treinar, mas convesei com o meu técnico e resolvemos que eu iria correr faltando 30 dias para a São Silvestre. Mas queria um pouco de tranqüilidade, por isso me isolei um pouco", disse a atleta, comentando o mistério que cercou sua participação na corrida - só confirmada nesta própria quarta-feira."Tive várias decepções em outros anos e havia prometido para mim mesma que quando chegasse ao pódio seria minha última vez, e foi o que aconteceu em 2001. Mas este ano pensei que, afinal, esta é a prova mais importante do atletismo brasileiro e era muito importante para mim, para as pessoas com quem trabalho?, explicou Márcia Narloch.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.