Olho esquerdo de Massa está normal

Médico acaba com especulações sobre aposentadoria

Livio Oricchio, BUDAPESTE, O Estadao de S.Paulo

29 de julho de 2009 | 00h00

Bastou o neurocirurgião húngaro Robert Veres dizer que os nervos do olho de Felipe Massa tinham sido atingidos pelo choque da mola no seu capacete para que a notícia se espalhasse: sua carreira teria que ser encerrada. O médico brasileiro que o assiste no Hospital Militar de Budapeste, Dino Altman, precisou explicar repetidas vezes que o que foi atingido foi a órbita ocular do crânio e não o globo ocular do piloto.Várias mídias citaram até que o nervo ótico estaria comprometido, o que causaria a impossibilidade de Felipe Massa voltar a pilotar. A TV italiana RAI deu grande destaque ao suposto fato, que traria a aposentadoria ao brasileiro. O que nem todos se deram conta é de que, como explicou o próprio doutor Robert Veres, a morfologia do olho de Massa está integralmente preservada. O que, por si só, era quase garantia de que não existia qualquer risco de perda de visão para o piloto. Para a mola atingir o nervo ótico, como muitos afirmaram, seria preciso que o objeto tivesse atravessado o globo ocular, já que o nervo encontra-se na região posterior do globo, conectando-o ao cérebro. Outra possibilidade é através do rompimento da caixa craniana. Mas as lesões neurológicas generalizadas, nessa hipótese, teriam tamanha dimensão que muito provavelmente causaria muito mais do que a perda da visão do piloto, mas, certamente, a sua morte. Por tudo isso é que ontem, sob orientação da própria Ferrari, Altman, agora uma espécie de porta-voz da condição de saúde de Felipe Massa, fez questão de detalhar o procedimento médico. Citou que oftalmologistas do Hospital Militar realizaram exames a fim de se conhecer eventuais danos à visão de Massa, pouco prováveis. "O Felipe enxerga perfeitamente com a vista esquerda", afirmou Altman, com o assessor de imprensa da Ferrari, Luca Colajanni, ao seu lado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.