Jonne Roriz/AE
Jonne Roriz/AE

AO VIVO

Árbitro iraniano vai apitar Brasil x Sérvia na última rodada da primeira fase

Olimpíada de 2016 no Rio estimula atletas mais experientes

Scheidt confirma presença e Emanuel não descarta possibilidade de disputar Jogos no País

Paulo Favero e Sílvio Barsetti, O Estado de S.Paulo

13 Agosto 2012 | 03h09

LONDRES - Eles são experientes nos Jogos Olímpicos, alguns têm medalhas no peito e são todos veteranos do esporte. Mas o fato de a próxima edição ser realizada no Rio, em 2016, está mexendo com a cabeça deles e muitos já avisam que vão adiar a aposentadoria só para ter o gostinho de competir em casa.

Aos 39 anos, Emanuel, do vôlei de praia, já conquistou três medalhas e talvez tente a quarta no Brasil. "Só preciso ver como vou me sentir até lá. Mas é uma possibilidade", diz, empolgado com a prata conquistada em Londres, na dupla com Alison.

O alemão Julius Brink, que fez a final contra os brasileiros, até acha graça do tempo que Emanuel está em atividade. "Quando eu comecei a jogar na Alemanha, ele já era uma estrela. E acho que quando eu me aposentar ele ainda estará brilhando", afirma, rindo, o atleta de 30 anos.

Outro medalhista múltiplo é Robert Scheidt, que adicionou uma quinta à sua coleção em Londres e já confirmou presença nos Jogos do Rio. "Só vou me aposentar depois disso", avisa o atleta, de 39 anos. O grande problema é que ele não sabe em qual classe poderá competir, porque a Isaf (Federação Internacional de Vela) manifestou o desejo de excluir a Star da competição. "Se ela não estiver mesmo, vou tenta a Finn, a Laser, a 49er ou até o Catamarã. Mas acredito que isso será revertido", aposta Scheidt.

Seu parceiro Bruno Prada, que também terá de procurar uma nova categoria caso a Star seja excluída, ainda não garantiu sua presença em 2016. "Estarei com 44 anos e claro que tenho vontade (de competir no Rio), mas vou analisar a capacidade física. E se houver necessidade de mudar de classe, terei de fazer alguns testes para ver se eu aguento. Hoje, a classe Finn seria a mais indicada para melhor adaptação do meu peso e tamanho, mas ela é muito física."

Na ginástica artística, Daniele Hypólito completará 31 anos em 2016 e poderá chegar à sua quinta participação. Ela já deu a entender que estará no Rio e, mesmo considerada veterana para a modalidade, ainda tem muito talento e força física, além de não ter lidado com muitas lesões na carreira. Para a técnica Iryna Ilyashenko, Daniele é uma aposta. "Acredito que ela vai ficar mais um pouco na seleção."

Para a ponta Alexandra, artilheira da equipe feminina de handebol em Londres, a meta é chegar bem em 2016 e enfim abocanhar a medalha que ficou bem próxima em Londres. Ela até adiou planos pessoais para realizar o sonho de disputar a Olimpíada no Rio. "Vou até lá e depois paro para ser mãe", revela a atleta, de 30 anos. Outras duas companheiras, a goleira Chana e a pivô Dani Piedade, vão avaliar se terão fôlego para permanecer na equipe, mas existe um interesse do técnico Morten Soubak para que elas permaneçam.

Encerrar a carreira no Rio também está nos planos de Hugo Hoyama, de 43 anos, que divide com Torben Grael e Rodrigo Pessoa o título de recordista brasileiro de participações em Olimpíadas - seis cada um. "Tenho alguns meses para pensar, a idade não atrapalha no tênis de mesa. Normalmente, os jogos são rápidos e desgastam pouco", observa o atleta. "Quero avaliar com calma minha condição técnica. Hoje, eu me sinto em 2016. Mas prefiro aguardar um pouco mais."

Técnico e atleta ao mesmo tempo, Rodrigo Pessoa, de 40 anos, é outro que não quer desperdiçar a oportunidade. Em Londres, ele conduziu a bandeira do Brasil na cerimônia de abertura dos Jogos, ajudou a seleção de hipismo a se classificar para a final de saltos por equipe e também conseguiu vaga na decisão individual.

Saiu-se bem na prova por equipe, mas ficou longe de conquistar um lugar no pódio. Cauteloso, Pessoa quer priorizar encontro com a cúpula da Confederação Brasileira de Hipismo, Comitê Olímpico Brasileiro e Ministério do Esporte para definir o rumo da modalidade até 2016. "Temos de investir mais, principalmente em cavalos de qualidade. No meio desse processo, eu decido se vou competir no Rio."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.