Olimpíadas: Áreas abandonadas em Atenas

Há 12 meses, os gregos comemoravam o retorno das Olimpíadas para o seu berço, Atenas. Um ano depois, os atenienses acompanham, angustiados, o abandono dos locais de competição da 28.ª edição dos Jogos.As instalações que serviram aos atletas de 201 países, construídas ao custo de centenas de milhões de dólares, estão fechadas ao público. Enquanto isso, ciganos acampam na sede do tae kwon do e do vôlei e as algas cobrem as raias do remo. O Estádio Olímpico foi reaberto apenas no último mês.O governo grego reconhece que fracassou ao não elaborar um plano de utilização dos locais para depois da Olimpíada. Dizem que direcionaram todos seus esforços para garantir o evento, marcado por crises financeiras e sucessivos atrasos nas obras. Uma lei recém-aprovada, no entanto, dará destino às construções. Nenhuma será vendida, mas serão repassadas à iniciativa privada para tentar diminuir o prejuízo.Parte do centro eqüestre será transformado em campo de golfe e hotel. As instalações da canoagem virarão um parque aquático. Outras áreas acabarão como restaurantes, bares ou cafés. A população protesta.O esporte grego também não melhorou depois da recente experiência olímpica. As federações reclamam de falta de apoio financeiro, atletas não receberam os prêmios até hoje e muitos precisam tirar dinheiro do próprio bolso para competir.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.