ONU aconselha investimento no esporte

O mundo seria um lugar mais saudável e pacífico se os governos investissem no esporte e na participação de seus cidadãos em atividades físicas. O problema, porém, é que 60% dos adultos no mundo não praticam nenhum tipo de esporte com regularidade e que políticas para o setor continuam ainda longe de ser prioridade das autoridades. Essas são algumas das principais conclusões do primeiro relatório já produzido pela ONU sobre o papel do esporte na vida política, econômica e social no mundo.Lançado nesta quarta-feira, o relatório destaca a experiência do Brasil em fornecer aulas de ginástica e de judô em programas para recuperar jovens delinqüentes como um exemplo de como o esporte pode ser útil para a sociedade. "O objetivo da ONU não é o de criar novos campeões, mas de usar o esporte de uma forma mais ampla para o desenvolvimento e a paz", afirma o documento.Para a ONU, o esporte pode ajudar na luta contra o racismo, incentivar a tolerância em locais atingidos por guerras e ainda melhorar as condições de saúde de uma população. No que se refere à educação, por exemplo, o relatório aponta que crianças entre seis e doze anos que praticam mais de cinco horas de esportes por semana têm melhores resultados na escola que os demais alunos.Mas o relatório lamenta que em 126 dos quase 190 países da ONU, políticas esportivas ainda são marginalizadas nos programas de governo e consideradas como não sendo essenciais.As Nações Unidas alertam, porém, que por falta de atividadades físicas, 1,9 milhão de pessoas morrem de doenças que poderiam ser evitadas se algum esporte fosse praticado. Segundo o estudo, a cada dólar investido em esporte, um governo poderia economizar US$ 3,2 em gastos com saúde. Nos Estados Unidos, por exemplo, a falta de atividades físicas para parte da população custa US$ 75 bilhões por ano ao país em saúde.Para reverter essa tendência, a ONU pede que os governos incorporem atividades esportivas em suas políticas de desenvolvimento e que busquem garantir o direito ao acesso aos esportes a todos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.