Operários na ''pequena Taipé''

As fábricas da Foxconn espalham-se por dez blocos do distrito industrial de Kunshan (sudeste da China). São dezenas de edifícios horizontais, cada um num estilo arquitetônico, marcando cada etapa do crescimento vertiginoso da maior companhia do mundo de serviços de manufatura eletrônica - o nome técnico das empresas que fabricam componentes ou produtos inteiros para marcas conhecidas, no caso da Foxconn, para a Sony, HP, Apple, Dell, Intel, Cisco, Nokia e Samsung, entre outras. Depois de começar em 1974 em Taiwan como empresa de fundo de quintal, com investimento inicial de US$ 7.500, a Foxconn é hoje a maior exportadora da China. Tem unidades espalhadas pelo mundo inteiro, incluindo Manaus, Indaiatuba e Jundiaí, no interior de São Paulo, onde fabrica 100 mil notebooks por mês para a HP e para a Sony. Faturou em 2007 US$ 518 bilhões (28% mais do que no ano anterior). Emprega mais de 200 mil funcionários, dos quais 40 mil em Kunshan. A 40 km de Xangai, Kunshan tem 650 mil moradores e 1,2 milhão de trabalhadores imigrantes. Uma densa fumaça a cobre, e a acidez do ar impregna a pele, os lábios e a saliva.A cidade tem a mais alta renda per capita da China: US$ 13.424 em 2006. Por causa da concentração de indústrias taiwanesas, ganhou o apelido de "Pequena Taipé".A Foxconn transformou dezenas de milhares de filhos de agricultores pobres chineses em operários da indústria. É o caso de Chao Yonghui, de 16 anos (idade mínima legal de trabalho na China), e Xu Zengguang, de 20, ambos do vilarejo de Yuexang, na Província de Hunan (sudeste). Depois de concluir o equivalente ao ensino básico (antigo ginásio) no Brasil, eles fizeram um curso privado profissionalizante de dois anos. Pagaram 1.000 yuans (US$ 146) para a escola conseguir-lhes uma vaga na Foxconn, incluindo o ônibus de seu vilarejo para Kunshan, que custa 400 yuans (US$ 58). Trabalham 12 horas por dia, seis dias na semana, e fazem também horas-extras noturnas e nos fins de semana, para ganhar 1.600 yuans (US$ 233) por mês. Se trabalhassem só 21 turnos de 12 horas por mês, receberiam o salário básico: 840 yuans (US$ 122,57), equivalentes a 40 yuanes (US$ 5,83) por dia. Ninguém faz isso na Foxconn. Nos fins de semana, o dia vale o dobro.PERÍODO DE EXPERIÊNCIAEm Xangai, colegas de curso deles conseguiram salários de 3 mil yuans (US$ 438), mas o custo de vida lá é mais alto. Na Foxconn, os empregados têm comida e alojamento (quarto com beliches e banheiros no corredor) de graça. Há quatro meses na firma, Chao e Xu não assinaram contrato. Disseram-lhes que estão em período probatório, que dura um ano.Não têm seguro de saúde. Se o quiserem, têm de pagar 100 yuans (US$ 14,58) por mês, que se não utilizarem receberão de volta ao pedirem as contas. Pouca gente opta por pagar.Xu conta que sair é fácil. É só avisar o chefe. "Muitos dos nossos colegas de curso já voltaram", diz ele. "O trabalho é muito chato", conta Chao. "Ficamos 12 horas juntando partes de conectores." Chao e Xu não têm o que fazer em Kunshan, além de ver televisão no refeitório, quando não estão no turno noturno. Têm guardado dinheiro. Se saírem da Foxconn, irão para outra fábrica em Kunshan. Não voltarão mais para seu vilarejo em Hunan.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.