Ordem do pai a Lewis: nada de festas e mulheres

Piloto inglês está perto do título e ?sir? Hamilton exige concentração total

O Estadao de S.Paulo

02 de outubro de 2007 | 00h00

Tóquio - Lewis Hamilton pode estar bem próximo de se tornar o primeiro estreante a vencer o Mundial de Fórmula 1 - tem boas chances de assegurar o título já no domingo, no GP da China -, mas a festa terá de esperar. Presença constante no paddock da McLaren, o pai do piloto, Anthony Hamilton, garante que nos próximos dias seu filho, de 22 anos, irá dormir cedo e se concentrar totalmente no campeonato, deixando de lado o champanhe e as baladas."Não dá para fazer festa quando se está correndo. Nada de fumar, nada de beber, nada de mulheres, só trabalho??, disse Anthony após a vitória de Lewis domingo, no GP do Japão. "Se você quer ir para festas e topar com mulheres, aí é melhor escolher outro emprego.??O inglês tem 12 pontos de vantagem sobre seu colega de equipe, o bicampeão espanhol Fernando Alonso (107 a 95). Faltam apenas duas provas para o fim da temporada. Hamilton precisa vencer o GP em Xangai para ficar com o título, mas também é possível que liquide a fatura apenas chegando à frente dos rivais Alonso e Kimi Raikkonen, da Ferrari. Caso não consiga, a decisão ficará para a corrida de Interlagos.Anthony revela também desconforto com os que insistem em achar que Lewis Hamilton e, acima de tudo, um "produto de marketing??. " "É engraçado a palavra hype (para se referir à ?moda Hamilton?). Essa palavra nos seguiu por aí desde que ele tinha sete anos. Pois em cada estágio provamos que nunca se aplicou a nós. Aplica-se aos outros. Chegamos na pista, tentamos fazer um trabalho honesto, vamos embora, reconstruímos e tentamos de novo. Não há hype em torno de Lewis??, disse o pai. "Os resultados dele falam por si.??BRASILEIRO VICELucas di Grassi terminou com o vice-campeonato a temporada da GP2. Domingo, em Valência, na Espanha, ele ficou em 13º lugar na última prova enquanto seu rival, Timo Glock, venceu a corrida e comemorou o título. O alemão somou 88 pontos, contra 77 do brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.