Ordem é evitar a bola limpa ao craque

A principal preocupação de Tite não é como parar Neymar. Seu objetivo é fazer com que seu time impeça que o atacante receba uma bola limpa.

Vítor Marques, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2011 | 00h00

"A solução é cortar a origem da jogada, com uma marcação curta e leal, como aliás, tem sido o estilo do Corinthians."

Para isso, o técnico deve repetir, contra o Santos, uma estratégia que funcionou contra o Flamengo, quando inibiu as investidas de Ronaldinho Gaúcho.

Uma das ideias do treinador é bloquear um setor que ele considera importante no esquema de Muricy Ramalho: o lado esquerdo do time, que começa com Léo, passa pelo meio de campo e termina em Neymar.

"O Neymar é municiado por quem vêm de trás.", disse Tite, descartando marcação individual no atacante. "A marcação será sempre por setor, cada um tem a sua responsabilidade."

Contra o Flamengo, Tite inverteu o posicionamento de Jorge Henrique com objetivo de bloquear as subidas do lateral-esquerdo e Júnior César, com quem Ronaldinho Gaúcho se entendia bem. Deu certo.

Outro ponto a favor de Tite: a volta do lateral-direito Alessandro ao time. Ele dá mais segurança e solidez ao setor justamente pelo qual Neymar atua.

Nas duas vezes em que enfrentou o Santos com Neymar, Tite, no comando do Corinthians, se deu bem em uma delas. Foi no primeiro jogo da final do Paulista deste ano, ao segurar o empate em 0 a 0 e colando um zagueiro pelo lado direito da defesa, uma vez que não podia contar com Alessandro.

Na segunda partida da final, na Vila Belmiro, Neymar venceu a parada. Marcou um gol e o Santos se consagrou campeão.

Tite espera que o Corinthians repita a intensidade de jogo que teve contra o Flamengo, marcando sob pressão, dificultando a saída de bola santista.

Para que isso dê certo, ele vai contar com seus jogadores essenciais para esta função: os volantes Paulinho e Ralf.

Alex será o principal articulador, ganhando posição de Danilo. No ataque, Emerson Sheik, que vive bom momento, e Liedson estão confirmados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.