Técnico linha dura chegou a brigar com o astro Riquelme

Não é só dentro de campo que o Boca Juniors conta com muita experiência na Libertadores. O técnico Julio César Falcioni já disputou três finais. Foi de 1985 a 87, quando ele era goleiro do América de Cali, da Colômbia. Esse argentino de 55 anos, carrancudo e de poucos sorrisos, porém, ainda persegue o título mais cobiçado do continente já que perdeu as três decisões. Em 1985, caiu diante do Argentinos Juniors nos pênaltis. No ano seguinte, foi derrotado pelo River Plate e em 1987 perdeu para o Peñarol.

O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2012 | 03h04

No cenário nacional, a trajetória de Falcioni como jogador é de sucesso. Ganhou cinco campeonatos colombianos, de 1982 a 1986, e é até hoje o goleiro estrangeiro mais vitorioso daquele país.

Após pendurar as luvas, estreou como treinador em 1998 no Vélez Sarsfield. Passou ainda por Olimpo de Bahía Blanca, Independiente, Colón, Gimnasia y Esgrima até triunfar em 2009 no Banfield, quando foi campeão. O bom trabalho o credenciou para treinar o Boca. Logo em seu primeiro ano, em 2011, conquistou o Torneio Apertura invicto.

Tido como um técnico linha dura, entrou em rota de colisão com Riquelme e chegou a ter sua saída cogitada esse ano. Os bons resultados o seguraram. / R.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.