Organização imita Indianápolis e constrange o campeão

Will Power recebeu um pacote de leite, como é tradição na prova dos EUA. Não sabia o que fazer com ele, mas acabou bebendo

, O Estadao de S.Paulo

15 de março de 2010 | 00h00

A vitória na São Paulo Indy 300 pegou o australiano Will Power de surpresa. "O pessoal da equipe me avisou que faltavam seis voltas. Perguntei se era para o pit stop, mas eles responderam que não, que faltavam seis voltas para o fim da corrida, então dei o máximo", conta o piloto. A este momento, juntou-se a desajeitada comemoração, quando recebeu uma caixa de leite no pódio e não sabia muito bem o que fazer com ela. A intenção era que o piloto comemorasse à moda das 500 milhas de Indianápolis, onde os vencedores bebem um copo de leite, mas ele não compreendeu a ideia a princípio.

Há um motivo para tanto estranhamento. Power, assim como o brasileiro Vitor Meira, vinha de um longo período de ausência nas pistas. Sofreu um acidente durante os treinos no Grande Prêmio de Sonoma, nos Estados Unidos, em agosto do ano passado. Na ocasião, fraturou duas vértebras e passou por um longo período de recuperação. "Voltar depois de machucar as costas e ganhar foi demais... Estava chorando na última volta. Eles (os técnicos da equipe) me disseram (pelo rádio) que poderia tirar tudo do carro e foi o que fiz."

O piloto considera que as obras na reta do Sambódromo realizadas no sábado o ajudaram a conquistar o primeiro lugar. "As mudanças que eles fizeram (o trecho de concreto foi furado por máquinas para que ficasse com maior aderência) mudou a pista como se fosse noite e dia. Com isso, não tive mais problemas para me manter meu carro estável." A consequência, segundo o australiano, foi que a melhoria tornou possível aproveitar as outras vantagens do percurso. "Se você era rápido, conseguia ultrapassar porque a pista tinha um bom traçado. Acredito que tenha sido uma corrida estimulante para a torcida."

Power acrescenta que a chuva e os acidentes ? que resultaram em várias bandeiras amarelas e na interrupção da prova ? também tiveram sua parcela positiva no resultado. "Foi a corrida mais "mexida" de que já participei, porém, isso criou a possibilidade para que eu pudesse vir de trás para ganhar."

A vitória no Brasil foi a segunda de Power. A outra foi no Grande Prêmio de Edmonton, Canadá, no ano passado. Com o resultado de ontem, o australiano espera ganhar espaço na equipe Penske, que também conta com o brasileiro Helio Castroneves e o australiano Ryan Briscoe. / A.P. G, V. Z. e W. B. Jr.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.