Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

Organização inicia triagens do Pipe Masters no Havaí

Competição que tem o brasileiro Gabriel Medina com chances de ganhar o Mundial de surfe começa nesta semana

Paulo Fávero, enviado especial ao Havaí, O Estado de S. Paulo

09 de dezembro de 2014 | 17h15

Enfim, o Billabong Pipe Masters teve início. Nesta terça-feira, a organização do evento decidiu começar as triagens para definir dois surfistas que vão se juntar aos outros 34 que entram diretamente na primeira fase da competição. Além da vaga no grupo principal, os surfistas havaianos disputam uma premiação de US$ 100 mil (R$ 260 mil).

No decorrer do dia, serão 15 baterias até que se defina o campeão e os dois classificados. Um deles entrará na chave do brasileiro Gabriel Medina e do australiano Dion Atkinson. O outro ficará com o espanhol Aritz Aranburu e com o australiano e concorrente de Medina ao título mundial, Mick Fanning.

O sistema de disputa é conhecido: os 32 surfistas havaianos são divididos em oito chaves, com quatro competidores em cada, e nas baterias apenas dois avançam. Após a primeira rodada, os surfistas disputam as quartas de final, depois a semifinal e por último a final. A realização desse torneio, com uma boa premiação, foi uma forma de agradar aos surfistas havaianos, que reclamavam ter poucas vagas no grupo principal.


Em outros anos, chegou-se a ter oito e até 16 atletas locais nas competições do Pipe Masters, mas nesta temporada a ASP (Associação dos Surfistas Profissionais) decidiu colocar a mesma regra de qualquer outra etapa da elite para o Pipe Masters. A previsão de término das triagens é para o fim da tarde no Havaí, o que seria por volta de meia-noite no Brasil. A diferença de horário do Brasil para o Havaí é de oito horas para frente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.