Organizadores da Volvo revelam planos para edição 2008/09

A próxima edição da Volvo Ocean Race largará em 2008, um pouco depois da Olimpíada de Pequim - a China, o Japão e a Índia, alguns dos mercados emergentes, podem estar no caminho da regata de volta ao mundo. O novo ciclo será de três anos ao invés de quatro como era tradicionalmente desde 1973/1974. Os organizadores não informaram os portos de parada, mas deixaram claro que a Ásia, o Oriente Médio e a costa oeste dos Estados Unidos, serão incluídos na rota de passagem dos veleiros.As novidades foram anunciadas neste sábado por Glenn Bourke, chefe da Volvo Ocean Race, em Gotemburgo, na Suécia, porto de chegada dos barcos dessa edição da prova, após sete meses de competição.O Brasil 1, que colocou o País na prova pela primeira vez na história, será vendido na Europa, mas um novo barco - os modelos permanecem os mesmos VO 70 dessa edição, considerados muito rápidos - poderá se inscrever. ?A tripulação e o barco foram se conhecendo ao longo da regata, com resultado significativo, o que motiva outra campanha?, observa Ênio Ribeiro, diretor da vela Brasil, que coordenou o projeto da equipe nacional.O chefe da Volvo ainda informou que duas equipes confirmaram presença na edição de 2008. Pela participação dos executivos na coletiva de imprensa, esses times são o sueco Ericsson, que não fez uma boa campanha nessa edição, e o holandês ABN, que disputou a volta ao mundo com dois barcos.O barco 1 conquistou o título antecipado da prova, mas o barco 2 enfrentou a morte do regulador de velas, Hans Horroevts, varrido por uma onda gigante do convés, no Atlântico Norte, pouco depois do local onde naufragou o Titanic, entre Nova York (EUA) e Portsmouth (ING). ?Vocês podem imaginar a tragédia que significou para nós a morte dele. Mas é um esporte de risco, como outros, que envolve profissionais e riscos. Mas o sucesso de marketing e comunicação mostrou que foi uma boa escolha participar da Volvo?, acentuou o executivo Jan-Berent Heukensfeldt-Jansen, diretor do projeto dos barcos da ABN.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.