Orlando recebe All Star Game 20 anos depois

E foi a partida que entrou para história do basquete americano com a vitória de Magic Johnson sobre Michael Jordan e Cia.

GUSTAVO CHACRA / NOVA YORK , CORRESPONDENTE, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2012 | 03h05

Vinte anos depois da histórica vitória de Magic Johnson sobre Michael Jordan, Orlando volta a receber hoje, às 21 horas, o All Star Game da NBA sem a maior estrela da atual temporada. Quer dizer, do último mês. A ascensão meteórica de Jeremy Lin da reserva para ídolo do New York Knicks ocorreu depois de os atletas das conferências Leste e Oeste já terem sido selecionados para disputar a partida que celebra os craques do basquete americano.

Para tentar contornar o problema, Lin, que tem origem chinesa e é formado em Harvard, jogaria neste fim de semana a partida das Estrelas Ascendentes (Rising Stars). Além disso, no jogo principal, a NBA conta com outras estrelas como Kobe Bryant, do Los Angeles Lakers, que terá a sua 14.ª participação no All Star Game, e LeBron James, do Miami Heat.

Mas, sem contar Lin, que recebe elogios até do presidente Barack Obama, o grande astro da partida de hoje deve ser Dwight Howard. Mais votado na eleição dos fãs, ele jogará diante de sua torcida na que pode ser a sua última temporada no Orlando Magic. No próximo ano, especula-se que o atleta se transferirá para os Nets - a atual equipe de New Jersey passará a atuar no Brooklyn, em Nova York.

No exterior, o All Star Game deve ser transmitido para quase todos os países do planeta. Existe uma preocupação entre os dirigentes da NBA de deixar claro que o basquete é global, tendo um alcance bem maior do que o futebol americano e o beisebol. "Todos os anos, mais países vêm para a gente e dizem que querem a NBA", afirma Matt Brabants, diretor da entidade para assuntos internacionais.

A rede de TV Al Jazeera, do Catar, transmitirá a partida que poderá ser vista mesmo em Homs, na Síria, que sofre com os conflitos entre as forças de Bashar Assad e grupos opositores - o basquete é o esporte mais popular em muitos países do Oriente Médio, incluindo a Síria, o Líbano e Israel.

Amanhã, três europeus jogarão pela equipe da Conferência Leste - o alemão Dirk Nowitzki, que comandou o Dallas Mavericks para o título da temporada passada, o espanhol Pau Gasol, medalha de ouro na Olimpíada de Pequim, e o francês Tony Parker. Nenhum brasileiro foi escalado para a partida das estrelas.

O jogo de hoje também marcará o aniversário de duas décadas de um dos maiores All Star Games de toda a história. Em 1992, Michael Jordan, Larry Bird, Isiah Thomas, Patrick Ewing e Charles Barkley formavam a equipe da Conferência Leste. Mas eles acabaram derrotados pelo Oeste, liderado por Magic Johnson, que voltava às quadras um ano depois de anunciar que era portador do HIV.

Em uma vitória de 153 a 113, o astro do Los Angeles Lakers fez uma espetacular cesta de três pontos faltando 16 segundos para o fim do jogo e foi eleito como o MVP. Meses depois, junto com Michael Jordan, conquistou a medalha de ouro para os Estados Unidos na Olimpíada de Barcelona em uma equipe conhecida para a eternidade como o Dream Team.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.