Os Meninos resgataram algo óbvio no futebol: a obsessão pelo gol

Análise:

Eduardo Maluf, O Estadao de S.Paulo

23 de março de 2010 | 00h00

O Santos resgatou algo tão óbvio no futebol, mas que parece relegado a segundo plano pela maioria das equipes: a obsessão pelo gol. Marca três, quatro, cinco e sempre busca mais. Não se contenta em fazer 1 ou 2 a 0, garantir a vitória e depois "poupar as energias" para a rodada seguinte, o lugar-comum dos tempos modernos. O São Paulo, por exemplo, usou o jogo de quinta-feira à noite, contra o paraguaio Nacional, no Morumbi, para explicar o rendimento modesto na vitória de anteontem sobre o Mogi. Assegurou o resultado e depois abdicou de jogar. Os Meninos da Vila, também na quinta, fizeram quatro contra o Remo, no Pará. Chegaram a São Paulo na sexta, treinaram no sábado e marcaram mais nove contra o Ituano.

Há, realmente, quem se poupe. O problema maior, porém, é outro: falta talento. O Palmeiras talvez seja quem mais sofre dessa carência entre os "grandes". Os santistas jogam com cinco, seis ou sete atletas atacando, marcam sob pressão a saída de bola do adversário e têm variação surpreendente de jogadas numa época em que prevalece o pragmatismo. Acuam o oponente chegando pelas pontas, tocando pelo meio, armando contra-ataques rápidos, fazendo cruzamentos na área e usando seus bons cobradores de falta.

Mesmo em derrotas, como contra o Palmeiras, os Meninos proporcionam diversão ao público. O que parecia presunção de seu presidente, Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro, hoje vem se confirmando na prática: a comparação com o Cirque du Soleil. O Santos é o único que proporciona momentos de circo no Brasil. Tem jogadores técnicos (Marquinhos e Paulo Henrique Ganso), rápidos e habilidosos (Neymar e Robinho), além de goleadores (Neymar e André). Dorival Jr. conseguiu unir as peças e transformar o bom elenco num grande time, mesmo expondo a defesa e frequentemente sofrendo gols.

Numa fase decisiva, a equipe pode até ser superada pela força de marcação de um Corinthians ou São Paulo. Mas os Meninos da Vila já podem se considerar os vencedores deste primeiro semestre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.