Os protagonistas

A opinião de que esta Copa do Mundo tem um bom nível técnico é quase unânime. Bons jogos, alguns com muita intensidade e com várias viradas de placar. Praticamente não houve jogo fácil.

Deco, O Estado de S.Paulo

02 de julho de 2014 | 02h06

Nenhuma seleção menor foi batida facilmente. Criaram dificuldades para as seleções mais tradicionais e importantes. Inclusive campeãs mundiais ficaram fora da fase de oitavas de final.

Com tantos bons jogos e tantas boas seleções, quero destacar os protagonistas. A maioria correspondeu à expectativa - a única exceção foi Cristiano Ronaldo, que não estava 100% fisicamente. Messi, pela Argentina, Neymar, pelo Brasil, e Robben, pela Holanda. Esse trio foi o responsável direto pela classificação de suas seleções. E podem levá-las até a final.

Os outros protagonistas têm demonstrado qualidade técnica, liderança, poder de dar o ritmo necessário à sua equipe e faro de gol. James Rodríguez, na Colômbia, Benzema, na França, e Bryan Ruiz, na Costa Rica, cumprem esse papel.

Benzema é aguardado como protagonista desde a Eurocopa de 2008, disputada, ao mesmo tempo, na Áustria e na Suíça. Sempre se criaram boas expectativas sobre seu futebol, mas esta é a primeira vez em que ele assume em campo esse papel.

Conheço James Rodríguez desde que ele foi jogar no Porto, em 2010. Fez ótimas temporadas em Portugal até ser contratado pelo Monaco, como grande reforço. Ele tem aproveitado esta Copa do Mundo para mostrar toda a sua qualidade e experiência - com apenas 22 anos. Já Bryan Ruiz conheci somente agora. Desde o primeiro jogo da Costa Rica me chamou a atenção. Conseguiu fazer história com seu país.

Para não falar somente em quem é responsável pelas jogadas ofensivas e pelos gols, vou destacar três goleiros que ajudaram suas seleções a avançar nesta Copa. Navas, da Costa Rica, Ochoa, do México, e Bravo, do Chile. Navas atua no futebol espanhol - defende o Levante - e fez boa temporada.

Bravo é o mais conhecido. Fez boa temporada na Espanha, pela Real Sociedad, e foi contratado recentemente para defender o Barcelona. Demonstrou muita segurança nos jogos do Mundial.

O Chile tem bons jogadores no meio-campo e também no ataque, mas Bravo foi o destaque nesta boa campanha da seleção.

O melhor dos três goleiros é o mexicano Ochoa. Possui ótima colocação, reflexo apurado e muita agilidade. Quase levou o México às quartas de final.

No caso da seleção brasileira, Julio Cesar confirmou em campo que Felipão estava certo. É muito legal ver um técnico assumir um jogador com tanta antecedência, não dar bola para as críticas e esse jogador corresponder à expectativa do técnico. O Julio Cesar deu a resposta em campo.

São os protagonistas que vão conduzir suas seleções o mais longe possível.

Tudo o que sabemos sobre:
Deco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.