''''Os treinos estão mais silenciosos'''', diz Gustavo

O clima no treino da manhã ontem, antes da estréia contra o Canadá, não era dos melhores entre os jogadores da seleção. Enquanto alguns admitem, outros negam que a ausência de Ricardinho ainda abale o grupo.O meio-de-rede Gustavo, um dos mais experientes da equipe, admite que os atletas precisam de tempo para se acostumar com a idéia. ''''Ainda estamos absorvendo essa situação. Os treinos estão mais silenciosos'''', fala. ''''Parece que falta alguma coisa, estamos ainda meio tímidos com isso.''''Gustavo acredita que os jogadores precisam agora passar confiança ao substituto de Ricardinho. ''''Precisamos dar tranqüilidade para o Marcelinho trabalhar. Claro que ele não vai conseguir fazer o que o Ricardo faz, mas ele é um cara experiente e que tem seu próprio tipo de jogo, ao qual estamos nos adaptando.'''' Marcelinho agradece o apoio. ''''Vou procurar fazer só um pouquinho do que ele (Ricardinho) faz em quadra. Já o observei muito e vou tentar fazer o melhor possível'''', conta o levantador.Alguns jogadores preferem não falar muito sobre os últimos acontecimentos. É o caso de Rodrigão. ''''Foi uma decisão do Bernardo e a gente respeita. Abalado todo mundo fica. Tem de levantar a cabeça e jogar, não tem como ficar pensando no que passou. Temos de levar a vida.'''' O ponta Dante se solidarizou com o colega, mas, ao contrário de alguns atletas, não foi atrás de Ricardinho para confortá-lo após o corte. ''''Não podemos lamentar tanto e esquecermos do objetivo maior, que é o Pan. Estamos unidos, botamos um ponto final nisso. Não fui atrás dele porque, quanto mais se toca na ferida, pior fica. Nessa hora ele precisa do apoio da família, e sei que isso ele tem de sobra.''''

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.