Osasco a uma vitória do título da Superliga

Atacante do Finasa/Osasco, Mari é a jogadora mais badalada da Superliga de Vôlei. Há um ano, a atleta era reserva da equipe do técnico José Roberto Guimarães. Hoje, tem boas chances de ser titular da seleção brasileira no Grand Prix e Jogos Olímpicos de Atenas. Neste domingo, no Ginásio do Ibirapuera, pela terceira partida das finais da Superliga, a ponta marcou 23 pontos na vitória do Finasa por 3 a 0 (25/23, 27/25 e 28/26) sobre o MRV/Minas, fazendo 2 a 1 na série. O time paulista só precisa vencer um jogo para conquistar o bicampeonato. O próximo jogo será quarta-feira, em Belo Horizonte, às 20h30. Mari quer liquidar a série fora de casa. "Quanto antes acabar, melhor. Que seja fora de casa mesmo. Mas o jogo vai ser mais difícil do que esse, ainda mais contra a torcida deles. O importante é entrar com a cabeça boa", diz Mari, que no segundo jogo, em Minas, foi muito perseguida pela torcida adversária. "Para ser sincera, não ouvi nada. Estava muito focada, nem me toquei", ressalta. Frieza é a característica principal de Mari, de 20 anos e 1,89 m, neta de três alemães e uma russa. "Isso está no sangue germânico. Claro que não tenho sangue de barata e preciso comemorar alguns pontos." Titular desde a primeira partida do Finasa nesta Superliga, a jogadora garante que não fica ansiosa ao pensar em titularidade na seleção. "Não tenho medo nenhum. Pelo contrário, vou ficar muito feliz se isso acontecer. Mas ainda não acabou a Superliga."

Agencia Estado,

25 de abril de 2004 | 15h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.