Osasco enfrenta time de Zé Roberto na final

Equipe brasileira venceu o Bergamo na semifinal e hoje busca título inédito contra o Fenerbahçe, do técnico da seleção

, O Estado de S.Paulo

21 de dezembro de 2010 | 00h00

O Sollys/Osasco está a uma partida de um título inédito: hoje, às 12 horas (de Brasília), a equipe brasileira enfrenta o Fenerbahçe, da Turquia, na final do Mundial de Clubes de Vôlei, disputado no Ginásio Al-Garafa, em Doha, no Catar.

Do outro lado da rede, rivais íntimos. O time turco é comandado por José Roberto Guimarães, técnico da seleção brasileira, e tem como destaque a levantadora Fofão. Outra grande conhecida de boa parte da equipe paulista é a atacante russa Sokolova, fundamental na conquista do Mundial por sua seleção, contra o Brasil, em novembro.

Osasco e Fenerbahçe estavam na mesma chave na fase de classificação e foi justamente contra o adversário de hoje que as brasileiras conheceram a única derrota no torneio. Apesar de já conhecer o rival, o técnico Luizomar de Moura admite que ainda há espaço para estudar a equipe turca.

"Temos pouco tempo e, por isso, vamos ter de nos concentrar muito no estudo do adversário. Vamos mostrar vídeos apresentando as virtudes do rival, que tem uma levantadora e um treinador que conhecem muito bem nossas jogadoras", afirmou Moura. A confiança, porém, é grande. "Nossa equipe tem muito potencial, é muito forte e está focada, porque queríamos muito estar nesta final. Será um jogo de disciplina tática e paciência, um jogo de xadrez", analisou.

Para chegar à decisão, o Osasco venceu o Bergamo, da Itália, atual bicampeão europeu. Apesar do retorno da capitã Francesca Piccinini, musa da seleção de seu país, que estava lesionada, as brasileiras não tiveram muita dificuldade para vencer a partida. Em 1h16, definiram o placar em 3 sets a 0, com parciais de 25/22, 25/20 e 25/21.

A oposto Natália foi a principal pontuadora da partida, com 15 acertos, seguida pela central Adenízia (14) e a ponta Jaqueline, com 13.

Outra decisão. No torneio masculino, Trentino (da Itália) e Skra Belchatow (Polônia) reeditam a final do ano passado, vencida pelos italianos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.