AP
AP

Oscar Pistorius venderá a casa onde ex-namorada foi morta

Negociação do imóvel servirá para custear o processo do atleta paralímpico

Agência Estado

20 de março de 2014 | 14h21

PRETÓRIA - Um dos advogados de defesa de Oscar Pistorius revelou nesta quinta-feira que o atleta paralímpico está vendendo a casa, onde sua namorada Reeva Steenkamp foi assassinada, para arrecadar dinheiro e ter condições de bancar os custos judiciais do processo pelo crime, ocorrido no ano passado.

Pistorius não voltou para a casa de luxo em Pretória desde o dia em que supostamente atirou em Reeva no banheiro e "não pode contemplar voltar a viver lá novamente", disse o advogado Brian Webber. Ele declarou que fez a revelação de que a casa será vendida para "se antecipar à especulação das pessoas e dos meios de comunicação, e indicar as razões para esta decisão".

O atleta paralímpico havia planejado manter sua casa "selada" até depois do seu julgamento por assassinato, disse Webber, mas agora é necessário vendê-la para financiar a defesa, pois o julgamento deve durar mais tempo do que o período inicial de três semanas que foi previsto.

Pistorius avaliou a casa em US$ 456 mil (aproximadamente R$ 1,067 milhão) em sua audiência de fiança no ano passado. "Devido ao atraso na finalização do julgamento, a decisão de alienar urgentemente seu único grande trunfo teve de ser feito", disse Webber em um comunicado.

O julgamento de Pistorius por assassinato foi inicialmente planejado para ser realizado entre os dias 3 e 20 de março, mas a promotoria ainda está apresentando provas e deve continuar fazendo isso até o meio da próxima semana. Em seguida, a defesa do atleta paralímpico chamará testemunhas. Assim, é praticamente certo que o caso não termine antes de abril.

Os representantes de Pistorius dizem que ele financiou sua própria defesa desde o início. Ele foi viver com seu tio, Arnold Pistorius, após ser libertado sob fiança no ano passado. Durante sua audiência de fiança, Pistorius detalhou seus bens. Ele disse ser o dono da casa onde matou sua namorada em um luxuoso condomínio fechado, assim como de outras duas casas em Pretória e um terreno em Langebaan, perto da Cidade do Cabo. As outros três propriedades tinham um valor combinado de US$ 300 mil (R$ 700 mil), disse Pistorius. Ele também listou outros ativos e aplicações financeiras no valor de cerca de US$ 140 mil (R$ 330 mil).

O atleta paralímpico é acusado de ter premeditado o assassinato de Reeva, ocorrido no dia 14 de fevereiro de 2013. Pistorius se declara inocente e disse que atirou na modelo por engano, ao considerar que se tratava de um intruso na sua residência. O julgamento foi paralisado e será retomado na próxima segunda-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
atletismoOscar Pistorius

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.