Ousadia palmeirense é premiada com a primeira vitória fora

Time joga com quarteto ofensivo em Florianópolis e ganha por 1 a 0, graças a gol sem querer do [br]zagueiro Maurício Ramos

Daniel Akstein Batista, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2011 | 00h00

O Palmeiras foi com formação ofensiva até Florianópolis, mas foi graças a um gol do zagueiro Maurício Ramos - e sem querer - que o time conseguiu sua primeira vitória fora de casa, 1 a 0 contra o Figueirense, ontem.

Após sair do G4 na última rodada (vinha de derrota para o Fluminense e empate com o Flamengo), o Palmeiras buscava a recuperação ontem. Pelos três pontos, Luiz Felipe Scolari colocou Wellington Paulista no lugar de Luan, e armou o time com Kleber e Maikon Leite também no ataque. E ainda tinha Valdivia na armação.

Com menos de um minuto, Kleber perdeu a melhor chance do time. Aproveitando-se de bobeira rival, saiu na frente do goleiro Wilson, que conseguiu mandar a bola para escanteio. Depois, o atacante balançou as redes em rebote da bola que Maurício Ramos mandou na trave, mas o árbitro Alicio Pena Junior anotou impedimento.

O quarteto ofensivo fez com o Palmeiras avançasse, mas os espaços para o Figueirense criar também apareceram. Aloísio, no entanto, foi fominha e preferiu arriscar em vez de tocar para qualquer um dos seus companheiros que apareciam dos dois lados - Deola pegou sem susto. Depois, Maikon Leite ainda acertou a trave.

Como a formação alviverde não funcionava, Felipão colocou João Vítor no lugar de Valdivia e o ineficiente Wellington Paulista saiu para a entrada de Luan.

Quando o jogo caminhava para o empate, o Palmeiras conseguiu quebrar a escrita de não vencer longe de casa - tinha três igualdades e duas derrotas. Aos 38, Marcos Assunção cobrou falta e Wilson espalmou a bola no corpo de Maurício Ramos. Um gol sem querer, que colocou a equipe na quarta posição, seis pontos atrás do líder Corinthians.

Para sábado, contra o Atlético-MG, Kleber e Márcio Araújo, suspensos, são os desfalques.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.