Pacaembu lotado vê um duelo com grandes atrações

Corinthians, melhor mandante e com ataque mais positivo desafia a forte defesa do Cruzeiro, o visitante mais indigesto

Bruno Deiro e Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

13 de novembro de 2010 | 00h00

Os pontos são os mesmos, 60 para cada, mas o destino e a forma de como vieram são bastantes distintos. Brigando rodada a rodada pela liderança do Nacional com o Fluminense, Corinthians e Cruzeiro colocam à prova esta noite no Pacaembu o que têm de melhor. Do lado Alvinegro, o ataque mais positivo (60 gols) tenta manter o desempenho em seus domínios, onde é o melhor, diante de equipe mineira abusada, a melhor visitante do Nacional, que ainda ostenta a segunda defesa menos vazada (34 gols).

"Sair na frente do placar é importante, mas temos de saber que não é o fim do mundo sair perdendo. Caso aconteça, temos de ter equilíbrio e calma para buscar a virada. E nosso time, todo o grupo, sabe ser maduro", afirma Tite, ciente de que os mineiros, quando abrem o placar, dificilmente saem derrotados.

No primeiro turno, por exemplo, Montillo anotou para os mineiros logo aos dois minutos. Depois, se fechou na defesa e parou o ataque corintiano, num dos únicos jogos em que não marcou. Na oportunidade, o goleiro Fábio defendeu até pênalti. "É uma equipe contra a qual não falhar é fundamental. Será um grande desafio, jogo de alto nível, mas somos o melhor locatário (mandante) e estamos retomando esse padrão de força em casa. Nesse jogo, o fator local será preponderante e temos de fazê-lo prevalecer diante de nosso torcedor", segue o treinador.

Ronaldo enfatiza o fato de jogar em casa e a força do grupo. "Não temos segredos, todos estão bem. Não temos principal arma, somos um grande conjunto, que está motivado. Sabemos que vai ser bem difícil, mas vamos com nossa união, força, para cima deles, porque temos de conseguir essa vitória", discursa.

Do lado mineiro, Cuca também esbanja confiança. Principalmente após duro triunfo diante do Vitória, no Barradão, por 1 a 0. "É natural que um time passe por fases boas e outras não tão boas. O Corinthians também passou. Nós tivemos uma retomada agora com a última vitória", observa, garantindo um time sereno e forte no Pacaembu. "Se estamos fortes como visitantes, vamos continuar da mesma forma. E não me preocupo com a torcida do Corinthians. Domingo passado eram 38 mil do Vitória e nos portamos bem", fala.

Para ele, Montillo e Fábio podem ser os diferenciais. "Foi uma adaptação rápida e boa do Montillo porque o futebol dele combina com o do brasileiro, de muita técnica. E o Fábio é o melhor goleiro do Brasil hoje."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.