Pacquiao faz a pior preparação de sua carreira, diz técnico

Segundo Freddie Roach, divisão do tempo com os trabalhos no Congresso filipino prejudica treinos

, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2010 | 00h00

O técnico Freddie Roach afirmou que o filipino Manny Pacquiao está fazendo a pior preparação de sua carreira para a luta de 13 de novembro, em Dallas, quando vai enfrentar o mexicano Antonio Margarito, pelo cinturão vago dos médios-ligeiros, versão Conselho Mundial de Boxe. O principal motivo que prejudicou os treinamentos do melhor pugilista da atualidade, segundo seu treinador, é o fato de Pacquiao ter de dividir nos últimos cinco meses seu tempo com as obrigações no Congresso de seu país. "Muitas distrações não deixaram que as atividades fossem feitas corretamente."

Por causa do uso excessivo de sapatos sociais, Pacquiao estaria com uma contusão no pé direito que o impede de forçar o ritmo nas corridas. "Pela primeira vez, Manny deixou de treinar por uns dias em Los Angeles, pois precisou voltar para as Filipinas", disse Roach, referindo-se à reunião que seu pupilo teve com o presidente Benigno Aquino III, por causa de projetos em favor da província de Sarangani.

Pacquiao ameniza. "O trabalho não foi o ideal, mas me sinto em totais condições de realizar um grande combate", disse o pugilista que, aos 31 anos, soma sete cinturões.

A preocupação de Roach está em conseguir aprimorar a velocidade de Pacquiao, diante de Antonio Margarito, que apresenta medidas superiores. Margarito é cinco centímetros mais alto, tem 18 centímetros a mais de envergadura e é um médio-ligeiro natural, ou seja, não precisou se adaptar ao limite da categoria (69 quilos), como Pacquiao.

Margarito tenta apagar uma mancha em sua carreira. Em janeiro de 2009, o mexicano foi suspenso por ter usado um produto semelhante ao gesso em suas mãos no combate contra Shane Mosley, quando perdeu por nocaute técnico no 9.º assalto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.