Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

Padrasto de Gabriel Medina tem promessas e apostas para pagar

Charles Saldanha vai fazer uma tatuagem, comer carne vermelha e tomar refrigerante para celebrar o título do surfista brasileiro

Paulo Favero - ENVIADO ESPECIAL AO HAVAÍ, O Estado de S. Paulo

19 de dezembro de 2014 | 21h37

Charles Saldanha é a pessoa que mais incentivou Gabriel Medina no surfe. Como sabe que o enteado é muito competitivo, fez algumas promessas e apostas com ele. E agora terá de pagar, porque tudo girava em torno do título mundial. Não tem muita saída.

"Vou fazer uma tatuagem, beber refrigerante e comer churrasco”, revela, antes de ser interrompido pela esposa, Simone. “Ele não come carne vermelha há muitos anos e tem pavor de agulhas. Parece fácil, mas para ele não é."

Charles começou a notar o talento do garoto logo cedo, e ajudou no desenvolvimento da sua habilidade. "Acho que minha ajuda foi torná-lo um atleta, com um pensamento de vencedor. A gente trabalhou bem o lado psicológico, o preparo físico, e eu também fui aprendendo, fui estudando o surfe."



Ele diz que nunca foi autoritário na relação com o filho, e que sempre conversou bastante para tentar chegar a um acordo para que as coisas dessem certo. "Vi que meu filho tinha um talento acima do normal e comecei a ver como os australianos treinavam, como os norte-americanos, os brasileiros... Até com o próprio Gabriel eu aprendi."

Nessa relação, Charles também saiu ganhando. "Aprendi com o Gabriel por ele ser um talento nato, por ele ter um QI esportivo acima do normal, e ele aprendeu comigo também. Eu fazia triatlo, tinha conhecimento de preparação física. Antigamente todos os treinadores de surfe só vinham do surfe. E eu não era, com isso consegui passar algumas coisas diferentes para ele."

FRIEZA

Tecnicamente Medina é muito bom e a cada ano parece melhorar. Charles também cita outra característica do garoto que faz dele um campeão: a frieza no momento de decisão.

"Em qualquer esporte, é na hora da decisão que você vai ver quem é o atleta de ponta de verdade, porque ele faz o mais difícil e consegue ir bem sob pressão. Não adianta jogar bem na primeira fase e pipocar na final. O Gabriel cresce na decisão e isso o torna um atleta de ponta, por causa da força psicológica dele. Ele é frio na competição, é determinado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.