Pai de Felipinho chega para cobrar CBH

O cavaleiro Luiz Felipe de Azevedo chega nesta sexta-feira ao Brasil para cobrar da Confederação Brasileira de Hipismo (CBH) a não inscrição de seu filho, Luiz Felipe de Azevedo Filho, na Copa das Nações de Aachen, na Alemanha, de 12 a 17. Felipinho ligou, nesta quinta-feira, do aeroporto alemão de Frankfurt, antes de embarcar para o Brasil. Não aceita a alegação da CBH de que usou critérios técnicos para inscrever apenas três cavaleiros no concurso, deixando o seu filho fora da equipe. "Não sou o zorro, mas isso não é justo", afirmou.Felipinho observou que a CBH não fixou critérios para definir a equipe que iria a Aachen e "não tem um diretor-técnico atuante" para julgar os cavaleiros na Europa. "Fica difícil sustentar uma posição tão radical como a de cortar o Felipe."A CBH alegou que analisou os resultados dos cavaleiros este ano, principalmente de Pontadera, Morcelli e Roma, para convocar a equipe. Felipinho observou que seu filho foi bem no GP de Pontadera, terminando em 6º lugar.Em Roma não completou os dois concursos que fez, por causa de uma rédea que arrebentou e de uma ferradura que soltou do cavalo Lasar. Felipe filho não foi a Morcelli. "Qual o prejuízo que um quarto cavaleiro poderia causar a equipe se só vale o resultado de três? Ao contrário, seria importante ter um quarto cavaleiro para o caso de algum problema com um dos conjuntos." O que está ocorrendo com o hipismo na avaliação do cavaleiro "desestimula patrocinadores e investidores".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.