Palmeiras: 2.ª derrota seguida

Com um jogador a menos, time perde por 1 a 0 para o Noroeste

Amanda Romanelli, O Estadao de S.Paulo

03 de fevereiro de 2008 | 00h00

À tarde, foram São Paulo e Corinthians. Já à noite, o Palmeiras deu seqüência ao jejum de gols dos times grandes paulistas no sábado de carnaval. Mas o resultado alviverde foi muito pior: a segunda derrota consecutiva no Campeonato Paulista, com o 1 a 0 diante do Noroeste, em Bauru. O time de Vanderlei Luxemburgo, que não vence há três rodadas, continua fora da zona de classificação. E jogou os últimos minutos da partida ouvindo ?olé?. "Viemos com a proposta de vencer. O Palmeiras é um time grande e pela terceira vez o resultado não acontece", lamentou o zagueiro Gustavo. O volante Pierre foi além. "Saímos tristes de campo, mas a culpa é nossa. Não podemos mais tropeçar." Luxemburgo, como sempre, foi tirar satisfações com o árbitro, que saiu de campo escoltado pela polícia.Sentindo a falta que fez o meia Valdivia, suspenso, o Palmeiras ameaçou o gol do Noroeste pouquíssimas vezes. Não havia quem fizesse a ligação entre meio-campo e ataque e isso prejudicou a atuação ofensiva.Já a equipe do técnico Márcio Bittencourt teve maior volume de jogo. Também chegou a ataque mais vezes, especialmente na etapa final, ainda que tenha sofrido um pouco para desenvolver jogadas no meio,resultado da formação defensiva que Luxemburgo escalou. A expulsão infantil do lateral-direito Élder Granja, aos 24 minutos do segundo tempo (fez falta desnecessária na lateral do campo e recebeu o segundo amarelo), foi decisiva. O time de Bauru, que tem o artilheiro do Estadual (Otacílio Neto, com 5 gols) conta com outro atacante perigoso. Foi Vandinho, que entrou na etapa final, com o nome gritado pela torcida, quem decidiu o jogo, aos 39 minutos.O gol adversário saiu depois de uma bobeada do lateral-esquerdo Leandro, que deixou Vandinho roubar a bola perto da área. O palmeirense admitiu a culpa. "Errei, pô. Não tem o que fazer. Eu errei", falou. Um castigo para Luxemburgo, que em boa parte da partida viu um setor defensivo mais ajustado, depois das muitas críticas que recebeu nas últimas partidas. O técnico começou o jogo com três zagueiros, promovendo a estréia de Henrique, ex-Coritiba, e do jovem Maurício, vindo do Palmeiras B. Também recheou o meio com volantes: Pierre, Makelele e Martinez. A dificuldade de fazer a bola chegar ao ataque foi decisiva. Diego Souza e Alex Mineiro tiveram que se preocupar em buscar as jogadas - não tiveram, portanto, chances de tentarem o gol. Em um jogo com poucas chances claras, venceu quem errou menos. E o Palmeiras chegou à sexta rodada ainda tropeçando nas próprias pernas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.