Palmeiras: 300 vezes Luxemburgo

Treinador chega à marca histórica contra o Fla, seu time do coração

Bruno Lousada e Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

30 de julho de 2008 | 00h00

Vanderlei Luxemburgo é flamenguista desde criancinha. Hoje, às 21h50, no Palestra Itália, vai comandar contra seu time de coração a 300ª partida pelo Palmeiras, em sua quarta passagem pelo clube. Acesse e acompanhe onlineSe Luxemburgo conhece bem o rival, do outro lado está um treinador que ajudou a formar a base do atual campeão paulista. Caio Júnior comandou o Palmeiras no ano passado e só não deu seqüência ao trabalho por causa da derrota para o Atlético-MG na última rodada do Brasileiro de 2007. Perdeu a vaga na Taça Libertadores e também o cargo.Os dois treinadores que hoje estarão em campo no Palestra trocam elogios e evitam falar em um confronto entre eles. "Não existe rivalidade entre técnicos, vocês (jornalistas) se esquecem que quem faz o espetáculo são os jogadores", diz Luxemburgo. "O Caio tem um futuro brilhante pela frente, é um rapaz inteligente."Caio Júnior também ressalta os pontos positivos do adversário. "É muito bom enfrentá-lo. Se tiver de arriscar, o Luxemburgo arrisca. Nunca se sabe como ele vai armar o time. Ele também é imprevisível na hora de mexer na equipe. cria sempre um fato novo."Luxemburgo está feliz que o seu jogo de número 300 seja logo contra o Flamengo. Hoje, ele quer comemorar a marca com uma vitória. "Acho legal que seja contra meu clube do coração. Vai ser um jogo bom", acredita.Apesar de estar melhor colocado que o rival, o Flamengo (vice-líder, com 28 pontos) não anda tão bem das pernas e não vence há quatro jogos - duas derrotas e dois empates. Já o Palmeiras, 6º, com 25, vem de um empate com o líder Grêmio (1 a 1, no domingo) e o triunfo de 4 a 2 sobre o Santos. Está empolgado e uma nova vitória pode reconduzi-lo ao G4.Em busca dos três pontos, Luxemburgo contará com o retorno do craque Valdivia e também dos volantes Pierre e Léo Lima, que voltam para reforçar o sistema defensivo, um dos pontos negativos do time nas últimas rodadas.O mesmo problema que atormentou o treinador palmeirense tem agora atrapalhado Caio Júnior: a saída dos jogadores e as constantes lesões. "É só notícia ruim, só problema. Perdi o Kléberson (machucou o ombro direito durante jogo-treino, na segunda-feira), mas temos de ser fortes", comenta o técnico.Caio Júnior espera hoje se aproveitar de uma equipe que ele conhece bem, apesar das mudanças promovidas por Luxemburgo. "O Palmeiras mudou muito de um ano para cá", constata Caio. "Somente três ou quatro jogadores do atual elenco trabalharam comigo na temporada passada", recorda. "Estes conheço profundamente e poderei tirar proveito disso durante a partida."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.