Palmeiras ''acha'' o gol no final

Equipe sofre com a forte marcação, mas consegue vencer o Oeste por 1 a 0 com um gol de Patrik a 4 minutos do fim do jogo

Marcon Beraldo, O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2011 | 00h00

Era um jogo para o Palmeiras confirmar sua ascensão no Campeonato Paulista: e o time não decepcionou a torcida. Com um gol aos 41 minutos do segundo tempo, marcado por Patrik, a equipe alviverde venceu o Oeste por 1 a 0, ontem à noite, em Itápolis, em sua segunda vitória na competição.

Cicinho, entusiasmado por atuar num clube grande, prometia muita velocidade pela direita. "Estou contente por estar aqui. Agora vou dar sequência ao trabalho", disse o lateral-direito palmeirense, em uma rara declaração (Felipão proíbe os jogadores de dar entrevistas antes, durante e logo depois das partidas), ao entrar em campo.

O jogo começou muito disputado, sob forte calor. Mesmo assim, as duas equipes mostravam boa disposição e corriam muito. O primeiro chute a gol porém só aconteceu aos 9 minutos, com o capitão palmeirense Kleber chutando forte de fora da área para boa defesa do goleiro Fábio. A resposta do Oeste veio em seguida, numa cabeçada de Mazinho defendida pelo goleiro Deola.

O Palmeiras não deixou de lado também uma velha jogada: a bola parada com Marcos Assunção. Apesar de levar perigo ao adversário em alguns lances, o volante não conseguiu visitar a rede. O Oeste, por seu lado, também fez uso de sua principal arma, o artilheiro Fábio Santos. De bico, ele não abriu a contagem por muito pouco. Um minuto antes, Mazinho obrigara o goleiro Deola a fazer uma difícil defesa, em um lance bem trabalhado pelo ataque da equipe do interior.

O time palmeirense se mostrava confuso em alguns lances, enquanto o Oeste apertava a marcação e quase sempre levava vantagem. Apesar do discurso de "mudança tática" na véspera, a impressão que ficava é que os jogadores do Palmeiras faziam de tudo para "cavarem" uma falta para Marcos Assunção acertar um chute salvador.

O segundo tempo palmeirense começou com uma substituição. O técnico Luiz Felipe Scolari trocou o inoperante Dinei (que ainda por cima levara um cartão amarelo) por Patrik. E, como se viu depois, foi feliz em sua opção. O Palmeiras surpreendeu no início, com o zagueiro Danilo acertando uma bola na trave mas depois o jogo continuou "amarrado" no meio de campo. A equipe palmeirense quase chegou ao gol da vitória em um raro chute de Luan, um jogador que costuma aparecer em lances decisivos..

Enquanto o Oeste seguia marcando firme e apelando para faltas quando necessário, o capitão Kleber se enroscava com os adversários. Até algumas disputas desleais foram vistas, sob o olhar complacente da arbitragem. Mas, a exemplo de outras partidas, Luan surgiu como o salvador da equipe. Aos 41 minutos, ele fez um cruzamento perfeito para a área; Patrik se antecipou à zaga e desviou para a rede: 1 a 0.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.