Palmeiras avança

Com 1 a 0 sobre o Cruzeiro, em Minas, o campeão paulista fica em 2.º lugar, a três pontos do líder Grêmio (49 a 46)

Daniel Akstein Batista, BELO HORIZONTE, O Estadao de S.Paulo

15 de setembro de 2008 | 00h00

A 25ª rodada do Campeonato Brasileiro poderia ter sido desastrosa para o Palmeiras. Dependendo dos resultados, seria o fim do sonho do título. O fim de semana, no entanto, foi perfeito. No Mineirão, o time comandado por Vanderlei Luxemburgo mostrou que vai lutar até o fim pela taça de campeão nacional. Animado pela derrota do Grêmio no sábado à noite, superou a pressão da torcida mineira, venceu o Cruzeiro por 1 a 0 e assumiu a vice-liderança da competição, com 46 pontos, três a menos do que os gaúchos. Vote: o Palmeiras vai passar o Grêmio? Durante a semana, Luxemburgo tinha avisado que, se o Grêmio abrisse nove pontos, o Palmeiras não chegaria ao penta (ganhou em 72, 73, 93, 94). A torcida começou no sábado, quando o líder recebeu o Goiás. Valeu a reza, pois o tricolor gaúcho perdeu por 2 a 1, de virada.Para encostar no líder, o Palmeiras precisava quebrar jejum de 34 anos sem vencer o Cruzeiro no Mineirão pelo Brasileiro. Bem colocado em campo, mostrou futebol de raça e aproveitou as poucas chances de gol. Na melhor dela, calou o Mineirão.Sem Alex Mineiro e Kleber, suspensos, Lenny atuou sozinho no ataque. A principal preocupação de Luxemburgo e da torcida não era com o setor ofensivo. A defesa é que tem sido o ponto fraco, e ganhou atenção especial do treinador nos dias de retiro em Atibaia.Valeu o esforço, pois a defesa suportou os ataques do rival. Falhou, é verdade, mas contou com a sorte e com a competência de Marcos. Na primeira etapa, Wagner teve duas chances, mas errou o alvo. Jajá obrigou o goleiro a fazer difícil defesa.O Palmeiras criou apenas duas oportunidades nos 45 minutos iniciais. Uma com Lenny, que segue sem marcar gol com a camisa alviverde, e outra com Diego Souza. O meia mostrou faro de goleador e, com habilidade, matou a bola no peito antes de fazer 1 a 0, aos 42 minutos.O Cruzeiro voltou mais ofensivo na segunda etapa. Foi um verdadeiro teste de fogo para a defesa palmeirense. Os mineiros desperdiçaram um gol atrás do outro. Léo Lima, por exemplo, salvou em cima da linha chute de Thiago Martinelli. Em seguida, Lenny deu um carrinho desnecessário e foi expulso. Luxemburgo se exasperou.Com um a mais, o Cruzeiro partiu para cima, mas seu ataque foi ineficiente. Luxemburgo colocou Jumar e Thiago Cunha, na esperança de que segurassem mais a bola. Depois trocou Evandro por Gladstone. O Palmeiras foi guerreiro, agüentou a pressão, quebrou um jejum de vitórias em BH e faz perigosa sombra ao Grêmio. O sonho do título, enfim, nunca esteve tão vivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.